Presos suspeitos de matar policial rodoviário

Policiais do 6º Batalhão da Polícia Militar, com auxílio de colegas do Batalhão Rodoviário, prenderam quatro suspeitos de serem responsáveis pela morte do soldado Wanderlei de Morais, 33 anos, lotado na 1ª Companhia do 1º Batalhão da Polícia Rodoviária Estadual. Por volta das 17h de ontem, três jovens, um deles armado com um revólver calibre 38, renderam o policial quando ele auxiliava o tráfego de veículos na altura do quilômetro 28 da pista norte da Anchieta, onde ocorriam obras de manutenção de sinalização de via.Dois bandidos seguraram o polícial e o terceiro, após tomar o revólver de Wanderlei, atirou contra a cabeça da vítima, que morreu no local. Segundo o comandante da Polícia Rodoviária Estadual, coronel Gérson Rezende, a intenção dos criminosos era mesmo roubar a arma do policial, mas os três resolveram matar o soldado, que não teve como reagir, pois foi pêgo de surpresa.Uma hora depois do crime, durante diligência pela região, policiais militares localizaram Ivanildo Oliveira da Silva, de 22 anos, o "Japa", próximo à favela do Areião, em São Bernardo do Campo, que está localizada muito perto do trecho da rodovia onde ocorreu o latrocínio."Japa", que portava um revólver calibre 38, indicou aos policiais onde estavam seus colegas. Os policiais localizaram outros três suspeiros no interior de uma casa, na rua Dr. José Rubens Rosignolo, 1300, já dentro da favela do Areião, onde os amigos de Ivanildo se escondiam e faziam uma mulher, cujo nome não foi revelado, esposa do motorista Daniel Teixeira a Silva, de 39, como refém, ameaçando matá-la caso ela chamasse a polícia depois que eles conseguissem fugir.Foram detidos Cristóvão Pereira de Souza, 27, o "Sapo", Cláudio Fabiano da Silva, 19 o "Palito", com o qual a polícia apreendeu dois revólveres, um deles o do policial rodoviário, e o menor E.S.O., 17. conhecido como "Minhoca". Apesar dos quatro detidos terem negado a participação na morte do policial ao delegado Jame Nemi Jr. do 1º Distrito Policial de São Bernardo, os três maiores foram indiciados por formação de quadrilha e latrocínio. O menor foi encaminhado à Febem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.