Presos tentam fugir de presídio em Guarulhos

Uma tentativa de fuga da Penitenciária Adriano Marrey, em Guarulhos, foi frustrada na noite de sábado, graças a tiros de alerta disparados pelos PMs que estavam de guarda nas muralhas dois e três do presídio. Como resposta, dois supostos prisioneiros, que haviam cortado o alambrado interno e portavam um escada de seis metros - posteriormente apreendida - dispararam contra os policiais e atingiram uma das torres.A polícia concluiu que estava sendo preparada a fuga de um prisioneiro conhecido por "Japonês" e que com ele fugiriam 24 outros detentos daquele pavilhão. Seis presos se apresentaram, assumindo a responsabilidade nesta tentativa de fuga e foram indiciados no 1º DP daquele município. Era por volta de 21h30 quando dois homens foram visto se rastejando sob o alambrado interno, próximos a um ponto onde a tela de proteção havia sido cortada. Eles não vestiam uniforme de detentos. Um deles estava totalmente de roupa escura e o outro de calça e colete pretos e camisa branca. Um disparo de alerta partiu da muralha e imediatamente tiros partiram de uma arma portada pelos criminosos. Durante o tiroteio o s dois supostos presidiários fugiram em direção à cozinha da prisão, uma área que deveria ter 11 agentes de plantão, mas que nesta noite tinha apenas um. Ainda não se sabe quem seriam eles e se eram realmente internos do presídio. Há, inclusive, a possibilidade de que fossem agentes penitenciários facilitando ou tentando facilitar a fuga dos presos.Nenhum detento vestindo roupa diferente do uniforme foi localizado, nem a arma usada contra os PMs. Apresentaram-se com responsáveis pela tentativa de fuga Gilson Souza Pinheiro da Silva, Ricardo Bernal Antoniozzi, Pedro Paulo de Sales, Jaques Fernando Barbosa, José Carlos Siqueira e Valdir Crepaldi. Suspeita-se que tenham sido forçados pelos mentores da façanha aassumirem, para desviar a atenção dos policiais dos verdadeiros líderes da fuga. O delegado Douglas Dias Torres, do 1º DP de Guarulhos instaurou inquérito e indiciou os seis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.