Presos tiram fotos para denunciar maus-tratos em Ribeirão Preto

A Comissão de Direitos Humanos da 12ª subsecção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da cidade de Ribeirão Preto, a 310 quilômetros de São Paulo, deve encaminhar nesta quarta-feira, 7, ao Ministério Público Estadual (MPE) algumas fotos de presos que teriam sido vítimas de maus-tratos na penitenciária do município. O material deverá ser anexado ao inquérito aberto. As imagens mostram vários presidiários com ferimentos no pescoço, pernas, mãos, nádegas e braços. Os maus-tratos teriam ocorrido na rebelião do dia 14 e resultaram na morte de quatro detentos. As fotos, tiradas no final de maio pelos próprios presos, foram feitas por telefones celulares e repassadas aos familiares, que encaminharam à OAB. Segundo a coordenadora da Comissão de Direitos Humanos da OAB, Ana Paula Vargas de Mello, as fotos dos maus-tratos aos presos chegaram na segunda-feira, 05, à entidade. "Existem lesões de balas de borracha, mas atiradas de perto e não tratadas", diz ela. "Pelas fotos não se percebe atendimentos", emenda Ana Paula, citando ainda outras lesões, como queimaduras e mordidas de cachorro. A OAB já havia encaminhado notificações ao MPE sobre possíveis maus-tratos aos detentos.A Penitenciária de Ribeirão Preto tem capacidade para 792 presos e tinha cerca de 1.070 antes da rebelião. Devido aos estragos causados em três das quatro alas, 390 presos foram transferidos para a Penitenciária de Balbinos, a 418 quilômetros da capital paulista, no final de maio. A reforma do prédio, que foi quase todo destruído, começou nesta terça-feira, 06. A obra está orçada em R$ 3,3 milhões e deverá demorar seis meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.