Presos tomam pavilhão desocupado em Itirapina

Os 1.300 presos da Penitenciária II de Itirapina, a 217 km de São Paulo, forçaram a grade e invadiram um pavilhão que estava desocupado, no início da madrugada desta quinta-feira, 20. Temendo uma tentativa de fuga em massa, os agentes penitenciários trancaram os portões que dão acesso à parte externa do presídio. A penitenciária está praticamente destruída desde a série de rebeliões de maio deste ano. Todos os presos estão confinados em um único pavilhão. Depois de arrebentar a grade e ocupar o segundo raio, os detentos iniciaram um "barulhaço" em protesto contra as precárias condições do presídio. Carros da Polícia Militar foram deslocados até a penitenciária, mas o comando entendeu que não havia necessidade de chamar a Tropa de Choque. Segundo familiares, os presos estão revoltados com a superlotação e os maus tratos. "Muitos estão sem roupas, não tem colchões, nem assistência médica. É igual ou pior do que em Araraquara", disse a mulher de um preso, referindo-se às condições precárias de outro presídio, mostradas pela imprensa. Um agente, que não se identificou, disse que os presos estão acomodados em condições precárias, mas são bem tratados. "Eles dormem nas celas, embora estejam sem grades, pois quebraram tudo." A Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) informou que ocorreu um "ato de indisciplina" na unidade. Segundo a nota, "presos que estavam no pavilhão II chegaram ao pavilhão III, encerrando o movimento". Informa ainda que não foram feitos reféns e não houve feridos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.