Presos traficantes que agiam em áreas nobres

Entre os 19 detidos está morador da Barra da Tijuca

Marcelo Auler, RIO, O Estadao de S.Paulo

19 de dezembro de 2007 | 00h00

A Delegacia de Repressão a Entorpecentes da Polícia Federal no Rio desarticulou ontem uma quadrilha de traficantes que agia na zona sul e na Barra da Tijuca, zona oeste, áreas nobres da cidade. Cinqüenta agentes participaram da operação, batizada de Naufrágio. Foram expedidos 25 mandados de prisão e 10 de busca e apreensão. Até a noite, 19 pessoas estavam presas. O distribuidor da droga, José Brasil Fragata, de 50, morava numa casa "de alto nível na Barra da Tijuca".Entre os detidos, dois já haviam sido presos: Paulo Henrique Godinho dos Santos, o PH, de 25 anos, que controla o comércio de droga na Favela do Jacarezinho, e Jaciane Lemos Fonseca de Mesquita, de 18.Segundo o delegado Victor César Carvalho dos Santos, PH comprava a droga no Paraguai, com fornecedoras identificadas como Conce e Cris. De sua favela, na zona norte, ele abastecia pequenos distribuidores nos bairros nobres da cidade. Alguns dos presos, segundo o delegado, "iniciaram a vida como traficantes para sustentar o vício e, mais tarde, começaram a ganhar dinheiro com a venda da droga". Há informações de que entre os consumidores estavam artistas conhecidos, mas Santos não confirmou. "Os consumidores não eram o foco da nossa investigação."O trabalho da Polícia Federal, com apoio do Ministério Público e da Justiça Estadual, começou em maio. Os policiais iniciaram a investigação com Fragata, que imaginam ser um grande distribuidor. Mas ele vendia a droga só para pessoas próximas que o procuravam. Através de Fragata, os policiais chegaram aos intermediários e, mais tarde, a PH. Ele trabalhava com dois distribuidores de drogas : Sandro Pinheiro Muniz, de 35 anos, e Eduardo Bruno Garcia Pinto, de 29. Fragata e Pinto tinham outros contatos para receber a droga: Nilson Pais Imbroisi, de 45 anos, e Alessandro Belieni Araújo, o Mineiro, de 29. Mineiro não foi encontrado, mas a polícia prendeu sua mãe, Janete Ribeiro Araújo, de 62 anos, que levava drogas para ele de Minas. PH foi preso quando saiu da favela para encontrar a namorada. A quadrilha, eventualmente, trabalhava com outras drogas, como maconha e ecstasy. Nas buscas, 120 comprimidos de ecstasy foram encontrados com Aarão Moraes Drumond, de 22 anos, também preso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.