Presos vereadores acusados de exploração sexual de menores

Cinco vereadores e quatro empresários de Porto Ferreira, no interior paulista, foram presos hoje sob acusação de explorar sexualmente meninas entre 11 e 16 anos. Três acusados estão foragidos, entre eles o presidente da Câmara, Luís César Lanzoni (PTB). Revoltada, a população vinha tumultuando as sessões da Câmara desde que o caso veio a público, no início de agosto. A juíza Sueli Juarez Alonso decretou as prisões de 12 dos 16 indicados pelo promotor Cassio Roberto Conserino. Segundo Conserino, 17 pessoas foram denunciadas, mas uma não teve o pedido de prisão preventiva solicitado por ele. No total, 22 homens foram investigados pela polícia desde o final de julho, sendo que cinco (dois vereadores), por falta de provas, ficaram de fora da lista da denúncia do promotor. As nove pessoas detidas pela polícia foram encaminhadas para uma cadeia da região (o nome da cidade não foi revelado, por motivo de segurança), mas, segundo o delegado de Porto Ferreira, Maurício Sponton Rasi, eles devem ser transferidos para outra cadeia que tenha cela especial.Estão presos os vereadores Gerson Pelegrini (PV), Edivaldo Biffi (PL), Laércio Storti (PSDB), Luiz Gonzaga Mantovani Borceda (PSDB) e João Lázaro Batista (PSDB) e os empresários Nelson da Silva, Paulo César da Silva, Carlos Alberto Rossi e João Batista Pelegrini.Os acusados respondem por corrupção de menores, por tirar fotos de meninas nuas, de exploração sexual de adolescentes, favorecimento à prostituição, tráfico de drogas, estupro e atentado violento ao pudor. O caso chegou à polícia quando um pai descobriu fotos da filha adolescente nua com outras quatro amigas. As meninas eram aliciadas e recebiam R$ 50,00 para participarem das festas, geralmente nas segundas-feiras, em ranchos e chácaras da cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.