Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
PAULO LISBOA/BRAZIL PHOTO PRESS
PAULO LISBOA/BRAZIL PHOTO PRESS

Pressão de professores faz governo do Paraná suspender votação

Pouco antes, Tropa de Choque lançou bombas de gás lacrimogêneo nas pessoas que tentavam entrar na Assembleia Legislativa

Julio Cesar Lima, Especial para o Estado

12 de fevereiro de 2015 | 17h26

CURITIBA - A pressão de aproximadamente 5 mil professores acampados na frente e no interior da Assembleia Legislativa do Paraná deu resultado e o governo recuou na votação do projeto de lei que prevê maior austeridade nas contas públicas, mas que, na visão dos servidores, retira direitos trabalhistas e se apropria de R$ 8 bilhões do fundo de previdência do Estado. O projeto seria votado em regime de conselho geral - quando não é discutido pelas comissões regulares - , mas teve sua votação suspensa por causa da pressão popular.


Os deputados utilizaram um veículo da PM para entrar na Assembleia. Enquanto manifestantes tentavam entrar, a Tropa de Choque entrou em confronto, lançando bombas de gás lacrimogêneo. Não houve registro de feridos.

O grupo conseguiu entrar na Casa e ocupar o pátio interno, enquanto outros manifestantes acompanhavam a sessão. Uma hora depois, o governo encaminhou uma mensagem pedindo a retirada do projeto, que voltará à pauta no dia 23, após o carnaval.

Tudo o que sabemos sobre:
ParanáCuritibaprofessores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.