PRF adia greve, mas alguns policiais decidem cruzar os braços

Categoria aguarda reunião com Ministério do Planejamento, que não confirma encontro, para decidir greve

da Redação, estadao.com.br

30 de maio de 2008 | 16h07

Os policiais rodoviários federais decidiram em reunião na quinta-feira suspender a greve que começaria nesta madrugada. De acordo com a Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), a categoria preferiu aguardar uma reunião com representantes do Ministério do Planejamento, prevista para esta sexta-feira, 30, para só então definir a posição da categoria. O ministério, no entanto, não confirmou o encontro. As principais reivindicações dos policiais são a exigência de nível superior para ingresso na carreira, que precisa ser incluída no texto da Medida Provisória nº 431, e o reajuste salarial de 9% a 15%. Mesmo com a determinação de aguardar as negociações, alguns policiais decidiram parar as atividades. O posto policial da BR-040 - principal estrada que liga Brasília às regiões Sul e Sudeste do Brasil - estava fechado durante a manhã e com faixas, informando a greve da categoria. O secretário da Comissão Nacional de Greve, Glaudevaldo Nunes Costa, ressaltou, no entanto, que a paralisação só acontecerá se não houver acordo na audiência. Ele desconhecia a atitude dos policiais na BR-040. O presidente da FenaPRF, Gilson Dias da Silva, disse que a greve foi adiada até o término da reunião com o Secretário de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Duvanier Paiva. "A greve é a última instância de qualquer negociação e acreditamos que o governo está realmente sensível à questão", disse Silva em entrevista à Agência Brasil. Em relação ao reajuste salarial, Silva afirmou que está "praticamente pacificado", pois a previsão é de que o aumento comece a ser pago a partir de novembro. (Com informações da Agência Brasil)

Tudo o que sabemos sobre:
PRFgreverodovais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.