Primeiro confronto terá mais relevância para candidatos

Mais que moldar ou modificar a cabeça do eleitor, o primeiro debate entre os presidenciáveis terá relevância por colocar Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) frente a frente num confronto de discursos e propostas. Além disso, ambos serão desafiados por Marina Silva (PV) e por Plínio de Arruda Sampaio (PSOL), candidatos dispostos a mostrar que há caminhos além da polarização entre o PT e o PSDB.

Análise: Malu Delgado, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2010 | 00h00

O debate na televisão, neste momento, tem mais peso para os próprios candidatos e para a militância partidária que para o eleitor. Serra insistirá na estratégia antipetista para se contrapor a Dilma? A petista cairá em típicas armadilhas das retóricas eleitorais, que escapam ao controle de estatísticas dos gabinetes? Marina ficará neutra? São as respostas a tais indagações que dão relevância a esse confronto midiático.

Para Dilma, por exemplo, trata-se de uma experiência totalmente nova, por ser sua primeira disputa eleitoral. Não por acaso os candidatos reservaram tempo na turbulenta agenda para se preparem, cada um a seu estilo. Óbvio que nenhum deles quer colocar em risco a própria imagem quando a campanha começa a esquentar.

Esse debate, porém, dificilmente terá peso na cabeça do eleitor a ponto de alterar o cenário já captado pelas pesquisas. A "arena" na TV Bandeirantes começa às 22h, quinta-feira, simultaneamente à semifinal da Libertadores (São Paulo X Internacional). A média de audiência de 7 pontos (cada ponto equivale a 60 mil residências). Ou seja, numa hipótese otimista só cerca de 1% do total do eleitorado assistirá ao debate.

É JORNALISTA DE "O ESTADO DE . PAULO"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.