WILTON JUNIOR/ ESTADAO
WILTON JUNIOR/ ESTADAO

Primeiro corpo de ônibus soterrado em Brumadinho é alcançado pelos bombeiros

Após horas de trabalho pesado, brigadistas alcançam veículo cravado na lama

André Borges , ENVIADO ESPECIAL

29 Janeiro 2019 | 00h53

BRUMADINHO - Enxadas, pás, picaretas e um trabalho que parece não ter fim. A saga de mais de 20 brigadistas que tentavam nesta segunda-feira, 29, chegar à lataria de um ônibus submerso na lama em Brumadinho começou logo cedo, por volta das 8h. Ilhados no caos, numa área onde o barro já havia endurecido, tentavam a todo custo alcançar o veículo.

“Cinco minutos!”, gritou o chefe do grupo quando o relógio já passava das 11h, para que parassem um pouco. Alguns não obedeceram e seguiram adiante. Às 13h, um helicóptero desceu com a comida. Sentaram-se para almoçar. O brigadista Selmo Andrade buscou uma sombra para descansar. 

Selmo estava emocionado. Completou 50 anos nesta segunda. Até a semana passada, estava de férias com a esposa e três filhas em Cabo Frio, região dos lagos do Rio de Janeiro, quando foi acionado pelo serviço de emergência. O aniversário foi no local devastado. “O que a gente pode fazer num momento desses é resgatar as vítimas, dar um mínimo de conforto aos familiares”, disse. “É meu aniversário, mas é um prazer estar aqui com meus companheiros fazendo esse trabalho.”

As dificuldades enfrentadas pela equipe que tenta abrir o ônibus dão uma ideia do trabalho inesgotável que há pela frente em Brumadinho. É um trabalho de formiga. As ferramentas que os agentes usam não conseguem acessar o veículo. É preciso chamar um helicóptero para trazer serras elétricas e outros equipamentos de perfuração. Pouco depois das 14h, eles conseguem retirar parte da lataria. Encontram a perna de uma vítima. Não se vê o resto do corpo, preso dentro do ônibus.

Mais uma hora de trabalho, e a equipe consegue retirar todo o corpo. As indicações são de que há outras pessoas dentro do veículo. Por rádio, os brigadistas chamam um helicóptero para levar a vítima. Até aquele momento, a reportagem já havia contado, apenas em seu raio de visão, nove helicópteros cortando o céu com corpos embrulhados em redes. 

No fim do dia, a missão recebeu a visita de alguns agentes de Israel, entre eles o comandante da Unidade de Resgate Nacional de Israel, Golan Vach. O cenário é de guerra. A dimensão da área devastada pela barragem da mineradora Vale e o volume descomunal da lama espalhada na região contrasta com a esperança de que, um dia, serão encontradas e identificadas todas as vítimas do desastre. “É nosso trabalho”, diz a agente Amélia Margarida de Oliveira, voluntária do Conselho Veterinário de Minas Gerais. “Temos que fazê-lo até o fim.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.