FELIPE RAU/ESTADAO
FELIPE RAU/ESTADAO

Obrigatoriedade de placa padrão Mercosul começa com queixas em São Paulo

Despachantes dizem que não havia emissão de registro para novos veículos na cidade de SP; Detran afirma que problema foi resolvido

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2020 | 05h00

SÃO PAULO - Começou a valer nesta sexta-feira, 31, a obrigatoriedade de placas no padrão Mercosul em todo o País. No primeiro dia da regra, porém, despachantes da cidade de São Paulo relataram que o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-SP) ainda não emitia os documentos necessários para o novo registro. Além disso, até o fim da tarde só constava uma empresa com sede na capital na lista de autorizadas a fazer o novo emplacamento, mas o serviço ainda não era oferecido no local. Em nota, o Detran afirmou que o problema técnico foi resolvido e disse ter emitido “mais de 10 mil autorizações”, sem especificar em quais cidades. 

São Paulo fazia parte do grupo de Estados que ainda não haviam aderido à placa Mercosul – o primeiro a adotar foi o Rio, em 2018. A implementação chegou a ser adiada seis vezes até o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) determinar, em junho, que a placa seria obrigatória no Brasil a partir de 31 de janeiro. Os Detrans tiveram seis meses para adaptação.

Conforme explicações do Detran-SP, a instalação da placa passa a ser em duas etapas. Primeiro, o motorista leva a nota fiscal do veículo e outros documentos a uma unidade da autarquia, que emite o Certificado de Registro do Veículo (CRV). Com o CRV em mãos, o condutor precisa se dirigir a uma estampadora credenciada, pagar pela placa e fazer a instalação. 

Ao Estado, quatro despachantes da capital disseram, porém, que os Detrans ainda não estavam emitindo documentos. “Para mim, passaram que o sistema está em fase de adaptação e não iam emitir”, disse Diego Aguiar, que foi de manhã à unidade Armênia, zona norte. “Quem comprou carro 0 km hoje (sexta) não vai sair com a placa nova.” Com atuação na zona sul, o despachante Osmar José Ribeiro disse que o sistema estava “parado”. “Até atrapalha nosso trabalho, porque a gente tem de explicar aos clientes que vai atrasar. Mas também acho que é preciso ser compreensivo. O sistema é novo, então é normal.”

Parado

Durante a manhã, a Mercoplacas, na Praça Rolim de Moura, zona leste, era a única empresa com sede na capital credenciada para fazer o emplacamento, conforme o site do Detran-SP. Só à tarde, mais duas estampadoras na cidade – na Penha e na Vila Anastácio – foram incluídas na lista.

Às 11h30, havia dois funcionários na Mercoplacas, mas disseram que ainda não estavam prestando o serviço. Não havia clientes no local. Segundo eles, a previsão era iniciar o emplacamento só na segunda. “O sistema do Detran ainda não está funcionando”, disse um deles. “Imagino que, quando começar, vai ficar uma fila muito grande.” Após o Estado ir ao local, Hudson Barreto, da Bridge Solutions, consultora da Mercoplacas, disse que a empresa está pronta. “Só estamos aguardando autorizações de emplacamento. Para cada carro, (o Detran) emite autorização”, disse. “A loja está pronta e credenciada, só esperando cliente.”

O Detran-SP disse, em nota, que os problemas com o sistema compartilhado foram resolvidos pelas empresas. O Estado também questionou se havia expectativa de aumentar a oferta de empresas na capital – uma vez que a tendência é de alta demanda. “O credenciamento não é por município, portanto todas as empresas podem prestar o serviço no Estado.” Questionado sobre o total de autorizações emitidas na capital e no interior, o Detran-SP respondeu que, desde as 7 horas da manhã desta sexta, concedeu “mais de 10 mil autorizações para emplacamento”, sem dar detalhes.

Quem deve trocar para o padrão Mercosul? 

Nem todo mundo precisa instalar a placa Mercosul. Fazem parte do grupo obrigatório veículos que vão fazer o primeiro emplacamento ou mudar o registro de cidade. Em casos de furto ou dano da placa antiga, o proprietário também deve trocar para a nova. 

Qual é o preço da placa Mercosul?

O Detran de SP sugeriu o preço de R$ 138,24 (carro) e de R$ 114,86 (moto), mas as empresas podem cobrar outros valores.

Qual o prazo para o motorista emplacar o veículo?

O motorista tem 15 dias para emplacar o carro novo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.