Primeiro suspeito de seqüestrar chineses é preso no Rio

Comandante da PM diz que havia indícios da participação de um dos chineses na morte de dois policiais

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

20 Agosto 2008 | 18h43

A Polícia anunciou nesta quarta-feira, 20, a prisão do primeiro suspeito de participação no seqüestro dos chineses ocorrido sábado na Estrada das Paineiras, na zona sul. No entanto, a motivação para o seqüestro permanece um mistério. "Interceptações da Polícia Federal e da Polícia Civil apontam a participação dele na morte de dois PMs em julho e mostram fortes indícios de sua presença no caso dos chineses", disse o comandante do 22º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Luigi Gatto. A revelação do tenente-coronel irritou policiais federais e civis que trabalhavam no caso.   Veja também: Galeria com fotos da operação para achar cativeiro     Foragido desde 2003, após ser condenado por roubo, o traficante de drogas e armas David Chagas dos Santos, o Vavá, de 30 anos, é acusado pela morte de dos policiais militares metralhados na Lagoa Rodrigo de Freitas. Agentes federais estiveram na Delegacia de Combate às Drogas (Dcod) para acompanhar a prisão de Vavá, mas não falaram com os jornalistas.   O delegado-titular da Dcod, Marcus Vinícius Braga, lamentou o vazamento da suspeita sobre Vavá, mas confirmou que o criminoso é o principal traficante de armas para as quadrilhas da Vila Cruzeiro, local do cativeiro dos chineses, e para a favela Nova Holanda, onde Vavá foi preso. "Ele não é qualquer um. Era um dos líderes da quadrilha e estava dormindo há dois meses na Vila Cruzeiro antes de fugir para Nova Holanda, após a ocupação policial de terça-feira", resumiu Braga.   O delegado confirmou que Vavá é ligado ao traficante Alexander de Jesus Carlos, o Choque. Líder do tráfico da Vila Cruzeiro, ele é um dos suspeitos de comandar o bando que seqüestrou os chineses. Anteontem, enquanto mais de 350 policiais civis, estavam na Vila Cruzeiro, uma equipe da Delegacia Anti-Seqüestro tentou encontrar o criminoso na casa da dançarina do grupo "Gaiola das Popuzudas", Rosemery Mendes Vieira, de 23 anos, apontada como uma das namoradas de Choque, mas ele não foi encontrado.   O delegado-titular da Delegacia Especializada no Atendimento ao Turista (Deat), Fernando Veloso, que investiga o caso dos chineses, disse que acompanharia o depoimento de Vavá. Ele confirmou que os quatro suspeitos já identificados seriam traficantes da Vila Cruzeiro. O próximo passo será comparar as digitais deles com as impressões recolhidas pela perícia em um espelho encontrado no cativeiro de terça-feira.   Um dos principais obstáculos para a identificação do bando é que os três chineses e o diplomata vietnamita, que conseguiram fugir 28 horas depois do seqüestro, disseram à polícia que os criminosos vestiam calça comprida, camisas de manga longa e tocas ninja. A polícia espera que imagens das câmeras da CET-Rio ajudem a identificar os outros dois carros que participaram da ação. A única placa identificada, a de um carro Toyota Highlux , era fria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.