Primo de Bruno muda versão de depoimento e reitera que foi torturado

Sérgio Sales, a exemplo de outros acusados, disse que Eliza Samudio não era mantida em cárcere no sítio e que goleiro não participou do crime

Eduardo Kattah, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2010 | 13h42

CONTAGEM - Em depoimento formal prestado no Fórum de Contagem (MG), Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro Bruno Fernandes, recuou nesta quarta-feira, 10, em várias partes de suas declarações dadas anteriormente à Polícia Civil. Considerado na fase de inquérito um dos principais colaboradores da investigação sobre o desaparecimento e possível morte de Eliza Samudio, Sales reiterou perante a juíza Marixa Fabiane Rodrigues que foi coagido, agredido e torturado por policiais.

 

O réu acusou principalmente o delegado Júlio Wilke. Disse que o policial o asfixiou com um saco plástico e o agrediu com socos. As acusações contra a polícia já haviam sido feitas por Sales recentemente, durante depoimento de testemunhas em Ribeirão das Neves (MG).

 

Sales disse também que ao ser preso, no dia 07 de julho, foi obrigado a prestar depoimento por 14 horas - das 8h às 22h. Ele ainda alegou que não leu o depoimento que assinou.

 

A Polícia Civil já negou as acusações e hoje informou que não irá se manifestar sobre "estratégias de defesa" dos denunciados - nove ao todo, que cumprem prisão preventiva. O Ministério Público, que acompanhou o inquérito, irá solicitar a instauração de inquérito para apurar a veracidade das acusações de Sales contra os policiais. "Se o que você está falando é mentira, você vai responder por denunciação caluniosa", alertou o promotor Gustavo Fantini. Ao Estado, Fantini classificou o depoimento como uma grande "mentira". O primo de Bruno foi o quinto réu a depor e para o promotor, "a cada dia que passa as provas (contra os acusados) estão mais fortes".

 

O vídeo em que Sales, aparentando tranquilidade, orienta os policiais numa reconstituição realizada no sítio de Bruno, em julho, foi mostrado ao réu, que não confirmou as declarações dadas na ocasião. Ele mais uma vez disse que sofreu agressões de policiais.

 

Cena do crime. Ele reafirmou que mentiu no primeiro depoimento à polícia, quando incluiu Bruno na cena do suposto homicídio em razão das agressões e pressões que afirmou ter sido vítima. "Pela pressão que eles estavam me fazendo eu falei que o Bruno tinha ido. É mentira isso."

 

Ao contrário de declarações anteriores, desta vez Sales também afirmou que não ouviu de Bruno comentários sobre o assassinato de Eliza. Afirmou que soube do suposto homicídio por relatos do menor J., outro primo do goleiro.

 

A exemplo do que fizeram outros réus que já prestaram depoimento, Sales negou que Eliza tenha sido mantida sob cárcere no sítio de Bruno, em Esmeraldas, na região metropolitana de Belo Horizonte. Recuou também das afirmações de que a jovem - ex-amante do goleiro e com quem teria tido um filho - estivesse ferida na cabeça.

 

Após seis horas, quando a juíza determinou que o depoimento fosse encerrado, o primo de Bruno pediu para comentar a carta encaminhada por Dayanne Souza ao MP, na qual afirma que ouviu do réu que a intenção de Luiz Henrique Romão, o Macarrão, era matar Eliza e o bebê. Segundo Sales, o menor J., também primo de Bruno, teria dito que Macarrão pretendia "sumir com a criança, não matar".

 

Bola. No depoimento marcado para os próximos dias, o denunciado como autor do homicídio, Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, deverá acusar o delegado Edson Moreira - que conduziu a investigação policial - de propor que Bruno pagasse R$ 2 milhões para que seu nome fosse retirado do inquérito. Segundo Zanone Júnior, que representa o ex-policial, um familiar de Bola citou a suposta proposta em depoimento que consta dos autos. "Eu quero que ele fique calado, mas ele quer falar. Ele deve dizer isso", afirmou.

 

A acusação foi levantada pelo advogado Ércio Quaresma, que defende Bruno. O Estado procurou nesta terça-feira, 10, os delegados Edson Moreira e Júlio Wilke, mas eles não foram localizados.

 

Notícia atualizada às 18h50.

Mais conteúdo sobre:
caso Bruno

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.