Prioridade do Brasil é resgatar vítimas do Voo 447, diz Jobim

Ministro afirma que apenas um dos 16 corpos resgatados não tem condições de identificação do sexo

Agência Brasil ,

08 de junho de 2009 | 17h25

O ministro da Defesa Nelson Jobim afirmou nesta segunda-feira, 8, em São Paulo, que a prioridade do Brasil em relação ao acidente com o Airbus da Air France é "a recuperação dos corpos". De acordo com ele, dos 16 corpos encontrados até o momento, apenas um não tem condições de identificação do sexo. No entanto, o ministro não soube informar com certeza se será possível identificar os corpos apenas visualmente.

 

Veja também:

video Vídeo: Operação de resgate

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

som Ouça a coletiva desta segunda-feira sobre o resgate dos 16 corpos

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especialConheça o Airbus A330 desaparecido no trajeto Rio-Paris  

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo

 

De acordo com ele, a expectativa é de que se encontrem outros corpos, mas não há previsão de quando isso deverá ocorrer, principalmente, por causa da instabilidade e da oscilação do mar.

 

"Vamos prosseguir com as buscas até o momento em que, tecnicamente, o SAR [Serviço Aeronáutico de Resgate], serviço de salvamento, entenda que não há mais o que fazer", disse o ministro, depois de participar de uma mesa de debates promovida pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide). Jobim ressaltou que 800 homens da Marinha e da Força Aérea Brasileira (FAB) estão participando das buscas.

 

"Nós já tínhamos uma ideia de que os corpos começariam a aparecer exatamente ontem, que nós chamávamos de dia crítico do retorno dos corpos, que tinham sido afundados, à superfície, junto com os destroços. Ontem (domingo), as operações ficaram um pouco prejudicadas porque estava chovendo muito", disse Jobim.

 

O ministro reagiu nesta segunda-feira as críticas de que teria se precipitado na entrevista coletiva que concedeu na terça-feira (dia 2), quando confirmou que aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) haviam encontrado destroços do Airbus da Air France. Ele afirmou que optado por falar sobre os destroços naquele momento para aliviar a angústia das famílias das vítimas do acidente.

 

Já as investigações sobre o acidente, ressaltou mais uma vez o ministro, serão responsabilidade do governo francês, com possibilidade de participação do Brasil. "Os franceses, inclusive, estão deslocando um submarino para tentar localizar a caixa-preta", afirmou. A chegada do submarino Emeraude está prevista para quarta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.