Prisão de policial do Denarc com droga derruba delegado

A prisão de mais um homem do Departamento Estadual de Investigações sobre Narcóticos (Denarc), desta vez sob a acusação de tráfico internacional de drogas, provocou um novo terremoto no departamento. O diretor da Divisão de Investigações sobre Entorpecentes (Dise), a principal do Denarc, delegado Ubiracyr Pires da Silva, foi afastado. Na análise do governo, ele não conseguiu evitar que subordinados se envolvessem em mais um rumoroso caso de corrupção.O pivô da atual crise é o agente policial Francisco Marcondes Romeiro Neto, de 30 anos, da 2ª Delegacia da Dise. Ele foi apanhado por agentes da Polícia Federal acompanhando uma mulher que transportava 1,1 quilo de cocaína. Essa é a acusação que consta contra ele no flagrante realizado no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio.A mulher detida, Cristina Mousquer Arndt, de 28 anos, levava a droga em tabletes nas meias e botas. Ela e o policial embarcariam em um vôo da Air France para Paris, segundo agentes da PF. Cristina disse aos federais que estava sendo obrigada a transportar a droga pelo policial do Denarc, que a acompanhava. Romeiro Neto foi detido logo em seguida, ainda no aeroporto. De acordo com Cristina, um outro policial do Denarc mantinha suas duas irmãs em cárcere privado, em São Paulo, enquanto Romeiro Neto a escoltava até o Rio.A droga seria desembarcada na França. De lá, iriam para Amsterdã, na Holanda, onde trocariam a cocaína por ecstasy, que seria revendido em São Paulo. Uma equipe de corregedorias foi destacada para acompanhar os policiais federais da Superintendência da PF de São Paulo até o apartamento onde estariam as irmãs de Cristina, em Moema. As irmãs estavam sozinhas, sem policial por perto, e foram levadas pela PF para a sede da superintendência, onde foram ouvidas. "Requisitei ao delegado-geral a imediata abertura de processo contra os policiais acusados", afirmou o diretor da Corregedoria, delegado Roberto Maurício Genofre.A corregedoria já tem o nome do policial que estaria mantendo as irmãs de Cristina como reféns. Ele deverá ser ouvido no processo do caso. O agente preso era subordinado ao delegado Fábio Dal Mas, afastado há duas semanas da 2ª Delegacia da Dise após ter sido acusado de manter negócios com contrabandistas - denúncia ainda não confirmada.No ano passado, policiais do Denarc foram presos depois de serem filmados na Cracolândia, e acusados de tortura, extorsão e prevaricação. Agora, o departamento, o mais problemático nos últimos tempos, é alvo de mais um escândalo. A substituição do diretor, contra quem não pesa acusação, foi um ato considerado necessário, pois só outro diretor se sentiria à vontade para fazer mudanças.Já o assistente da direção do Denarc, delegado Edmur Ercílio Luchiari, garantiu que a prisão do policial foi uma "ação conhecida e auxiliada" pelo departamento. Segundo ele, a saída do Ubiracyr não está ligada à prisão. O novo diretor será o delegado Aparecido Laertes Calandra, que acumulará o cargo que já exerce no Denarc - ele é o diretor da Divisão de Inteligência e Apoio Policial (Diap).Segundo Luchiari, Calandra vai acelerar a investigação. "O efeito positivo dessa prisão é que houve participação do departamento. O negativo é que ainda temos policiais desse tipo e sabemos que existem outros."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.