Prisão de suspeito de matar líder da OAB provoca protestos

Cerca de 50 pessoas, entre sindicalistas e parentes do motorista de ônibus Paulo Ferreira da Silva, participaram de um protesto em frente à delegacia da polícia civil de Jacareí, nesta tarde. O grupo fez um manifesto contra a prisão do motorista, considerado pelas investigações da Polícia Civil um dos participantes da morte do presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de Jacareí, Ângelo Maria Lopes Filho.A vítima, que era advogado da empresa Jacareí Transportes Urbanos, foi morta quando deixava o escritório, no centro da cidade, em junho do ano passado. "Queremos a libertação dele, a prisão foi injusta, não há provas", gritavam os manifestantes.Com gritos de guerra e faixas, o ato durou cerca de uma hora e reuniu sindicalistas das categorias dos condutores, metalúrgicos e dos químicos. "A prisão quer desmoralizar a categoria", disse o presidente do sindicato dos condutores, José Carlos de Souza. Na época em que Lopes Filho foi assassinado, os motoristas e cobradores da empresa de ônibus estavam em greve e horas antes tinham se reunido com a vítima.Para a Polícia Civil, a prisão temporária, de cinco dias, foi baseada em pistas apuradas pelos investigadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.