Pró e contra

Odete MedauarProfessor de Direito da USP"Há um exagero no número de praças de pedágio e o encarecimento do transporte em geral. Além disso, não se trata de estrada, mas de ligação entre estradas, e há incoerência entre a propaganda da facilidade e rapidez propiciadas pelo Rodoanel e a cobrança de pedágio"André Ramos TavaresProfessor de Direito da PUC" A lei de 1953 foi revogada, em última análise, pela Constituição de 1988, que permite o pedágio, diz que é algo factível e está na alçada do Poder Executivo, do administrador, que pode decidir onde será construída uma praça de pedágio como decide onde será construída uma creche"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.