''Problema a gente via, mas vai fazer o quê? Era empregado''

Vicente Ricardo de Jesus, Ex-funcionário da Velório e Funerária Pindamonhangaba

, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2011 | 00h00

Vicente Ricardo de Jesus, ex-funcionário da Velório e Funerária Pindamonhangaba, afirmou que fazia transporte de merenda escolar com o mesmo veículo que transportava cadáveres à noite. "Problema a gente via direto, mas vai fazer o quê", disse ele, entrevista. "Eu era apenas empregado."

Você trabalhou com o Lucas?

Ele é meu ex-patrão.

E você fazia o que lá?

Eu entregava merenda.

Mas qual era a sua função?

Eu era funerário. Mexia com cadáver, com corpo. A gente arrumava o corpo e transportava.

E também levava merenda?

Entregava merenda de dia e trabalhava à noite no serviço funerário.

Mas com o Lucas?

Não, com a Verdurama. Mas o transporte era do Lucas. Uma caminhonete e uma Sprinter.

A mesma caminhonete que usava para transportar cadáver?

Justamente. Todo mundo sabia. A Secretaria de Saúde, a Prefeitura. É porque transporta aquelas panelas meio grandes, aí é fogo, né?

Você não via problema nisso?

Problema a gente via direto, mas vai fazer o quê? Eu era apenas empregado, o mais baixo.

Quando começou?

Trabalhei quatro anos, antes não entregava merenda. Mas é fácil de levantar. É só ligar na Verdurama e pedir notas porque a gente tirava notas, quilometragem, escola, quantidade de merenda. Tudo por escrito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.