Problema das metrópoles

Em Curitiba, um shopping com o mesmo nome da cidade cortou todas as árvores que o circundavam, a maioria ipês, nas Ruas Brigadeiro Franco,Visconde de Guarapuava e Sete de Setembro. Os ipês valorizavam o imóvel e contribuíam para a melhoraria da qualidade de vida da cidade. O shopping já ocupa imensa área impermeabilizada e é grande gerador de calor e poluição. Onde estão a prefeitura municipal, a Secretaria do Meio Ambiente e o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba quesempre zelaram pelo patrimônio ambiental da cidade? É preciso parar com estes modismos, de substituir nossa vegetação nativa por espécimes estrangeiros, que é o que devem plantar, se plantarem algo no local. Parece que só se valoriza o construído em detrimento do natural; o concreto em detrimento do verde. GABRIEL ENGRACIA O. BERTRANCuritiba A Prefeitura Municipal de Curitiba esclarece que, com a autorização e o acompanhamento da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, dez árvores em volta do Shopping Curitiba foram removidas com as raízes intactas e transferidas para o Horto municipal. Acrescenta que o shopping pagou o custo do serviço e plantou 16 jerivás, espécie de palmeira nativa, e que a aprovação da troca do paisagismo foi porque os ipês estavam com desenvolvimento comprometido e poderiam morrer em pouco tempo, se permanecessem no local. Os ipês estão recebendo tratamento antes de serem replantados em outros espaços públicos, como na Praça Osvaldo Cruz, ao lado do shopping. Os jerivás plantados têm cerca de cinco metros, mesma altura dos ipês substituídos. Praia abandonadaConcordo com a carta da sra. Silvana Graniero, Descaso em Ubatuba, (1.º/5), sobre a Praia do Lázaro. Há anos faço queixas na prefeitura de Ubatuba. Somente recebi resposta em 2005, mas foram só promessas. Há esgoto correndo pelas ruas, inclusive na principal, Aurelino Miguel. O mato está fechando as ruas, caramujos africanos se proliferam, além do aumento da água parada. Quando chove, é preciso um barquinho para atravessar a Rua Cacau, por causa do acúmulo de mato. A situação também é péssima nas Ruas Morango e Perequê Mirim. Ubatuba é uma cidade turística, mas nada é feito para conservá-la. Pagamos altos impostos em relação aos cobrados em São Paulo para não receber nada em troca. MÊRCE GARCIASão PauloA Secretaria de Obras da prefeitura de Ubatuba informou que no dia 3 de junho haverá um mutirão de limpeza na Praia do Lázaro, onde serão realizados serviços de capina, roçada, varrição, limpeza de valas, entre outros. Diz que, em agosto de 2008, deu início aos trabalhos de construção e reforma de caixas de drenagem para águas pluviais na Rua Andrelino Miguel, como também recuperou o pavimento dessa rua e de quatro travessas dela, retirando bloquetes e recapeando a via. A prefeitura esclarece que gastou R$ 140 mil com recursos próprios e que está reurbanizando a marginal esquerda da Praia do Lázaro, no sentido Ubatuba-Caraguatatuba, compreendendo o trecho entre a Rua Perequê Mirim até o rio, onde haverá uma ciclovia, uma calçada e serviços de drenagem para captação de águas pluviais.Lixo no centroÉ revoltante ver o descaso da Prefeitura em relação à limpeza pública na cidade de São Paulo. Basta ir à Rua Bento Freitas com a Rua Major Sertório. Os carroceiros despejam o lixo na calçada todos dias e a Prefeitura não toma nenhuma providência para coibir esse absurdo. ROBERTO TADEU GORIOSSão PauloO secretário das Subprefeituras, Andrea Matarazzo, diz que a Prefeitura não é omissa em relação à limpeza na região central. Esclarece que a varrição e o recolhimento de todo o material que é despejado de forma clandestina e ilegal nas ruas da cidade são feitos diariamente pelas equipes da Subprefeitura Sé. Acrescenta que há ações rotineiras de limpeza e que a subprefeitura inaugurou, no começo deste ano, uma Unidade de Triagem e Comercialização de material reciclável, no bairro do Glicério, para que os catadores trabalhem de maneira correta, sem sujar as ruas do entorno. Diz que, para que todas as ações de limpeza promovidas pela Prefeitura sejam percebidas, a população deve colaborar, descartando de forma correta o entulho em Ecopontos ou contratando apenas empresas de caçambas cadastradas na Prefeitura. O subsecretário prometeu ainda melhorar os pontos apontados pelo sr. Gorios.O leitor comenta: A Prefeitura pode não ser omissa, mas é incapaz de inibir o despejo diário de lixo.As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.