Problemas com Bilhete Único

Adquiri o Bilhete Único Estudante pela SPTrans. Em pouco tempo, as duas faces do cartão descolaram (ou seja, ele veio com defeito). Depois, o cartão deixou de funcionar, mesmo registrando cerca de R$ 100 de crédito. Ao requerer a segunda via do cartão no posto da SPTrans, na Rua Augusta, tive de pagar R$ 23 e esperar uma semana para recebê-lo. Ele foi enviado à minha faculdade sem crédito algum, algo inadmissível. Ainda mais se considerar que, quando solicitei a segunda via, a funcionária tomou nota do valor na minha frente e ainda me tranquilizou quando perguntei sobre a transmissão dos créditos para o cartão. Acho um absurdo a empresa executar seu trabalho com tanto desleixo, a ponto de simplesmente não transmitir os créditos para o cartão. Agora, preciso ir novamente ao posto para tentar reavê-los. Há ainda outro problema: é impossível registrar alguma reclamação n Ouvidoria do site da SPTrans. EURICO JUNQUEIRA São Paulo Marco Siqueira, da Assessoria de Comunicação Social da SPTrans, informa que o sr. Junqueira já recuperou seus créditos e pede desculpas pelo transtorno causado por causa de erro de processamento. Com relação à necessidade de ir a um posto da SPTrans para reaver os créditos que existiam na primeira via do Bilhete Único Estudante, esclarece que esse procedimento é obrigatório para preservar o benefício dos estudantes. Com a presença do aluno ou de seu responsável para retirar o cartão, não há risco de extravio ou de o cartão ser utilizado por terceiros. Reclamações podem ser feitas no 156 ou pelo site www.sptrans.com.br Soluções simples Nossos brilhantes estrategistas de trânsito, tão preocupados com soluções complicadas, se esquecem de alternativas simples, como a regularização do tempo dos semáforos. Enquanto um semáforo da cidade se abre, o próximo imediatamente se fecha, tornando os engarrafamentos inevitáveis. Em países que não são tão avançados tecnologicamente quanto o Brasil, o problema do trânsito já foi resolvido há décadas. ROGER CAHEN São Paulo Preconceito absurdo Fiquei estarrecida quando li a carta sobre os fretados do sr. Alvimar Santos Júnior ( 3/8) se referindo à de outra leitora, a sra. Eliana Oda (30/7), em que defende que a Prefeitura tem de priorizar os moradores da capital e não os de outras cidades. Enquanto tanta gente fala em construir um mundo melhor, há pessoas que não têm nem ideia do que é discriminação. O Brasil e principalmente, o Estado de São Paulo recebem, todos os dias, milhares de pessoas de outros Estados e cidades que vêm para trabalhar, estudar, etc. São Paulo é uma cidade que foi construída com muitas mãos de imigrantes e de migrantes. DAIZE ROSA São Caetano do Sul O ?Mundo dos NETs? Em 28 de abril contratei um plano Combo da NET com telefone Embratel, plano Total Cine Top e Virtua com 3 megabytes por R$ 219. Após 12 meses, o valor aumentaria para R$ 257, mas foi cobrado R$ 386,91 na primeira fatura. Reclamei e foi reenviada com o valor correto. Na segunda conta, ocorreu o mesmo problema, cobrança de R$ 336,48. Reclamei, mas, o boleto veio errado de novo, no valor de R$ 311,48! O telefone fixo ainda não foi instalado e por isso tenho de usar meu celular, cujas ligações têm custo elevado. O técnico já foi em casa duas vezes e alega que o problema é com a central. A empresa responsabiliza a Telefônica pela portabilidade, que não pode ser feita porque o número antigo estava registrado no CPF de minha mulher. Ainda não me informaram nem o número do telefone a ser instalado. Primeiro insistiram no antigo, depois informaram o número de meu celular - demonstrando desconhecimento do problema. Já liguei 14 vezes e a cada nova ligação tenho de repetir todo o problema. O famoso "Mundo dos NETs", na verdade, me causou danos à saúde e financeiros. HELIO GODOI São Paulo Fernanda Piccablotto, da Gestão de Clientes da NET São Paulo, esclarece que a empresa entrou em contato com o sr. Godoi, em 24 de julho, prestando-lhe os esclarecimentos dos procedimentos da empresa e agendou novo contato telefônico. O leitor contesta: Tudo se resolve com agendamento de contato? E a solução do problema? As autoridades competentes vão tomar alguma providência, por esta empresa iludir seus clientes? Pedir desculpas, retratar-se por enganar o cliente e não realizar o serviço não deve fazer parte da cultura da NET! As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.