Procedimentos médicos...

A cirurgia minimamente invasiva de hérnia de disco lombar e cervical (cifoplastia) tem um baixo índice de morbidade. Apesar de ter sido autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ela não está no rol de procedimentos e eventos em saúde que devem ter cobertura obrigatória pelos convênios médicos feito pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Por quê? JOSÉ FRANCISCO NOGUEIRA São Paulo A ANS esclarece que consta no rol de procedimentos e eventos em saúde (elaborado por ela, com a participação dos representantes do setor) a garantia da cobertura obrigatória dos planos de saúde ao tratamento cirúrgico da hérnia pela técnica convencional, mas a cifoplastia não, porque ainda é preciso fazer estudos específicos sobre sua viabilidade econômica e analisar os existentes sobre a efetividade da cirurgia. Responde que outros procedimentos concorrem para entrar no rol e, por isso, usa critérios epidemiológicos, de rede, entre outros, para decidir o que é prioritário. O rol, informa, constitui na cobertura mínima obrigatória a ser garantida pelos planos de saúde comercializados a partir de 2 de janeiro de 1999 e inclui todos os procedimentos considerados indispensáveis ao diagnóstico e tratamento das doenças que compõem a Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial de Saúde. Ressalta que não há nenhuma restrição para que os planos ofereçam cobertura superior à mínima estabelecida pelo rol em vigor, que está em processo de revisão. Quando a consulta pública começar, sugestões para a inclusão de novos procedimentos poderão ser feitas no www.ans.gov.br. Polêmica do fretado Sugiro aos vereadores de São Paulo que, antes de apreciarem o projeto sobre a circulação de fretados, tomem conhecimento da carta da sra. Eliana Oda, 30/7, que diz que o prefeito tem o dever de zelar pelo trânsito e pela ordem na cidade, e não por quem vem de outras cidades para trabalhar na capital. As medidas a serem adotadas devem ser a nosso favor, os moradores, pois eles foram eleitos para nos representar, e não quem mora em outra cidade. ALVIMAR SANTOS JUNIOR São Paulo Um viés apavorante de uma tendência que se introduz em nossa política é o que me foi sugerido em face do ato de Kassab ao restringir a circulação de ônibus fretados: a ideia seria impedir, de fato, que os viajantes diários de dezenas de cidades trabalhassem na capital e, assim, abrir espaço para os paulistanos "legítimos". A medida, discriminatória, segue as teorias de Le Pen para varrer os imigrantes da França. De resto, toda a Europa legisla assim, da Itália à Alemanha. Para brindar os paulistanos, impedem-se santistas, vicentinos, mogianos de trabalhar. E se dá certo? Os deputados e vereadores devem estar alertas para esse tipo de procedimento reacionário. PAULO MATOS Santos E o consumidor? Suponhamos que as operadoras de telefonia paguem a multa de R$ 300 milhões que o governo lhes está impondo por conta do mau atendimento ao usuário (29/7, B14). Mas que indenização receberá o consumidor comum, que é vítima de contratos pétreos, paga tarifas abusivas, suporta com paciência o escárnio dos atendentes de call centers, sofre interrupções de serviço e quase sempre tem de se queixar ao bispo? JOAQUIM QUINTINO FILHO Pirassununga Linhas alteradas A empresa Gatusa tirou de circulação, nos finais de semana, as linhas 6422 - Vila Cruzeiro - Terminal Bandeira, 7245 - Terminal Santo Amaro - Hospital das Clínicas, que circulam na Chácara Santo Antônio e na Vila Cruzeiro. Se o volume de passageiros diminui, deveriam apenas reduzir o número de ônibus em circulação. OSWALDO PALAVRAS São Paulo Marco Siqueira, da Assessoria de Comunicação Social da SPTrans, diz que as linhas foram alteradas, desde 6 de junho, após estudos que constataram um número reduzido de passageiros aos sábados. O itinerário da 7245 é coberto na Avenida das Nações Unidas pelas linhas 637C Jardim Jacira - Pinheiros ou 637A Terminal Jardim Ângela - Pinheiros, que circulam durante as manhãs de sábado. Já para a linha 6422, nas Avenidas Adolfo Pinheiro ou Santo Amaro, o passageiro pode usar as linhas linhas 6450 Terminal Capelinha - Terminal Bandeira ou 6500 Terminal Santo Amaro - Terminal Bandeira. Quem usa a 6422 na Rua Verbo Divino ou na Avenida Adolfo Pinheiro deve usar a linha 5318 Chácara Santana - Praça da Sé. As integrações evitam que linhas cheguem à região central fazendo o mesmo trajeto de outras, explica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.