Procon pede esclarecimentos da Gol sobre atrasos em vôos

Passageiros da empresa reclamam de alterações e cancelamentos no horários dos vôos programados

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

23 de dezembro de 2008 | 13h23

A Gol recebeu uma notificação do Procon-SP pedindo esclarecimentos sobre os problemas enfrentados pelos passageiros da empresa nos últimos dias. A empresa aérea tem 24 horas para apresentar sua defesa, segundo o Procon.   Veja também:  Maioria dos vôos atrasados é da Gol, que tem fila de check-in  Aeroviários descartam greve durante o feriado do Natal  Confira a situação dos aeroportos no site da Infraero   Foto: Filipe Araújo/AE  Passageiros enfrentam longa fila para fazer check-in no embarque do Aeroporto de Cumbica     De acordo com o Procon, vários passageiros que sofreram alterações unilaterais de suas passagens vêm fazendo reclamações sobre a companhia. Além disso, os relatos dos consumidores apontam para a indisponibilidade ou dificuldade de contactar a empresa nos canais de atendimento oferecidos.   A notificação, instrumento previsto no Código de Defesa do Consumidor visa, neste caso, diagnosticar problemas de caráter coletivo e a partir daí adotar a solução mais adequada do ponto de vista administrativo a fim de proteger os interesses dos consumidores.   Confusão no domingo   A confusão entre a Gol e a Infraero começou no domingo, quando a Infraero responsabilizou a Gol por problemas ocorridos nas esteiras de bagagens do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica. Em nota divulgada horas antes, a Gol havia informado que um defeito nas esteiras contribuiu para os atrasos e que a Infraero estava fazendo o conserto.   O comunicado da Infraero desmentiu a Gol. "A Infraero esclarece que, diferente do que foi informado pela assessoria da Gol, não houve problemas com a esteira de bagagens em questão", mas sim "má utilização da esteira pelas funcionários da empresa".   A razão do problema, segundo a Infraero, foi o excesso de peso nas esteiras, ultrapassando o máximo permitido pelo fabricante. Quando há peso além do permitido, as esteiras param momentaneamente de funcionar, segundo a estatal. "Este fato não teve relevância nos atrasos provocados pela companhia aérea, até mesmo porque a manutenção nem precisou ser acionada", diz a nota da Infraero. A estatal encerra a nota com um "alerta para que a Gol reforce o treinamento de seus funcionários".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.