Procon-SP cobra ações da Gol/Varig contra atrasos, e Anac ameaça aérea

Companhia tem até hoje para apresentar alegações; agência promete intensificar fiscalização no check-in

Bruno Tavares, O Estadao de S.Paulo

23 de dezembro de 2008 | 00h00

Depois de registrar índices elevados de atrasos em vôos por quatro dias consecutivos, a Gol/Varig entrou na mira da fiscalização. O Procon de São Paulo e a Agência Nacional e Aviação Civil (Anac) notificaram ontem a companhia aérea, detentora de 35% do mercado doméstico, a prestar esclarecimentos sobre transtornos enfrentados por passageiros nos principais aeroportos do País às vésperas do Natal. No fim da tarde, a empresa informou que analisa todas as reclamações e que "não medirá esforços para atender ao consumidor".As ações têm objetivos distintos. O Procon pretende apurar as denúncias de desrespeito à lei do call center, que desde o dia 1º estabeleceu regras mais rígidas para os serviços de atendimento ao cliente, e quebras unilaterais de contrato - nesses casos, as queixas vão desde cancelamento do vôo minutos antes do embarque até mudanças de dia e horário da viagem. O prazo para que a empresa apresente as alegações termina hoje. "Decidimos agir menos em razão da quantidade de reclamações e mais pela suspeita de um problema coletivo", disse o diretor de Atendimento do Procon, Evandro Zuliani. As futuras medidas, diz ele, vão depender da resposta da empresa. "Pode gerar desde reuniões para tratar de questões pontuais até autos de infração."A atuação da Anac, por sua vez, deve focar tanto passageiros quanto aspectos operacionais. A agência determinou que a Gol aumente imediatamente suas posições de check-in nos Aeroportos do Galeão (RJ), Brasília (DF) e Guarulhos (SP), os três mais movimentados do País. A companhia informou à Anac que já havia ocupado todos os guichês disponíveis em Cumbica e se comprometia a colocar mais funcionários nos outros dois terminais. Anteontem, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, já havia responsabilizado a Gol pelos atrasos. Ele afirmou que o corte de pessoal impossibilitou a empresa de dar conta do aumento da demanda no período de férias.A Anac prometeu ainda intensificar a fiscalização nas filas de check-in da Gol e sobre informações repassadas a passageiros. Caso os atrasos persistam, a direção da agência deverá se reunir com representantes da empresa na sexta-feira para "rediscutir a malha aérea". A nota distribuída ontem chega a lançar uma advertência velada à empresa: "A análise sobre os problemas da Gol/Varig neste período de fim de ano poderá levar até mesmo ao cancelamento de vôos já autorizados"."Porém, durante os dias que antecedem o Natal e o ano-novo, a agência vai preservar o direito do passageiro e manterá os vôos, cobrando mais eficiência da companhia", diz a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.