Procurada na fronteira suspeita do sequestro de Olivetto

A técnica em computação gráfica Naila Tosca de Freitas, de 42 anos, está sendo procurada pela Polícia Federal no Rio Grande do Sul, especialmente na faixa de fronteira com o Uruguai. Ela teria conseguido documentos falsos para o grupo que seqüestrou o publicitário Washington Olivetto em São Paulo. Os serviços de inteligência do Chile, país de alguns seqüestradores, e do Uruguai, para onde Naila pode ter fugido, também participam das buscas. A Polícia Federal gaúcha confirma a operação, mas não revela detalhes das diligências, feitas a pedido da Polícia Federal de São Paulo. Quando soube, pelos jornais, que a polícia procurava uma gaúcha suspeita de participar do sequestro de Olivetto, Naila comunicou sua família que iria sumir. Embora dizendo-se inocente, ela temeria uma vinculação com o seqüestro de Abílio Diniz, quando andou no carro de uma participante da ação, a chilena Maria Emilia Badilla, sem saber, segundo alegou, das atividades de sua amiga pessoal. Desde 8 de fevereiro, os vizinhos não encontram mais Naila no edifício onde ela morava, na Cidade Baixa, bairro próximo ao centro de Porto Alegre. Naquela semana o Gol de placas IIO-1947 foi multado por um controlador eletrônico na BR-290, rodovia que liga a capital gaúcha às fronteiras com o Uruguai e Argentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.