AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Procurado pela Interpol consegue renovar CNH no Estado de São Paulo

Também procurado pela Polícia Civil de SP, Edilson Donizete Neves, de 49 anos, conseguiu renovar a Carteira Nacional de Habilitação em fevereiro de 2010

16 de julho de 2012 | 17h16

São Paulo, 16 - Procurado pela Interpol, organização internacional que engloba a polícia de diversos países, e pela Polícia Civil de São Paulo desde dezembro de 2009, Edilson Donizete Neves, de 49 anos, conseguiu renovar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), em fevereiro de 2010, de acordo com informações do Detran de São Paulo. A emissão do documento foi efetuada em uma unidade do Ciretran de Jandira, cidade da região metropolitana da capital paulista.

Neves é acusado pelo assassinato de sua namorada, Sônia Aparecida Ferreira Sampaio Misaki, de 41 anos, e os dois filhos dela, Hiroaki, de 15 anos e Hiroyuki, de 10. Os crimes aconteceram em 18 de dezembro de 2006, em Yaizu, na província de Shizuoka, no Japão. Suspeito de ter matado a família estrangulada, ele fugiu para o Brasil e passou a ser procurado pela Polícia Internacional (Interpol).

Em janeiro de 2008, Neves chegou a ser detido por policiais civis de Bastos, em Marília, interior de São Paulo. O fugitivo foi encontrado em uma chácara em Sarutaiá, região de Avaré (SP), onde vivia com nome falso.

Em nota, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) informa que no caso de Edilson Donizete Neves não havia bloqueio ou restrição, seja policial ou judicial, que impedisse a realização de qualquer procedimento de trânsito à época. O órgão também destaca que efetuou o bloqueio administrativo no documento do foragido para evitar tentativas de novas emissões ou da renovação do documento.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) afirma que a Corregedoria da Polícia Civil vai investigar o que permitiu a renovação da CNH do procurado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.