Procurador do INSS é assassinado a tiros no Rio

O procurador aposentado do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) Valter Leite Lemos, de 63 anos, foi assassinado a tiros hoje de manhã em uma suposta tentativa de assalto na Rua Ana Néri, no Rocha, na zona norte da capital. Ele dirigia seu Renault Scenic ao lado da sua mulher, Marli Lemos, de 58 anos, quando foi fechado por um Fiat Palio ocupado por quatro homens, que o alvejaram. Marli não foi ferida.De acordo com o delegado da 25.ª Delegacia de Polícia do Engenho Novo, Gilberto Dias, Marli contou que, ao ser anunciado o assalto, Lemos fez um movimento para puxar o freio-de-mão do carro, quando os bandidos efetuaram pelo menos quatro disparos. Uma testemunha que não quis se identificar e assistiu à ação de um bar, porém, assegurou que o procurador tentou dar marcha-ré com o veículo, quando os assaltantes atiraram.A nora de Lemos, Lilian, afirmou que o casal ia comprar lustres em uma rua próxima ao local do assassinato. Assegurou ainda que em toda sua vida profissional ele nunca foi ameaçado de morte. "Tudo indica ter sido realmente um assalto", frisou.O delegado não soube precisar quantos tiros atingiram o procurador e nem o calibre da arma usada pelos bandidos no assassinato de Lemos, pai de dois filhos. O carro foi atingido por quatro tiros, sofrendo cinco perfurações (um dos projéteis deles atravessou o veículo). "Somente a perícia poderá indicar, mas uma das balas o atingiu na face e o disparo deve ter sido feito por uma arma curta, por exemplo, uma pistola", considerou o delegado, contrariando a versão de umas das testemunhas, que disse ter visto os bandidos portando fuzis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.