Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Procurador-geral dá parecer contra ficha-suja

Roberto Gurgel sugere ao STF barrar concessão de registro de candidatura a Jader Barbalho (PA), que recebeu 1,7 milhão de votos na eleição ao Senado

Vannildo Mendes / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2010 | 00h00

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, encaminhou ontem ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer contrário à concessão de registro de candidatura ao deputado federal Jader Barbalho (PMDB-PA), que concorreu a uma vaga de senador pelo Pará. Barbalho obteve 1,79 milhão de votos, o mais votado para o Senado no Estado. Barrado pela Lei da Ficha Limpa, ele recorreu ao Supremo para conseguir o registro.

Na opinião de Gurgel, a "inelegibilidade constitui restrição temporária à possibilidade de o recorrente candidatar-se a cargo eletivo. Não visa propriamente a exclusão do candidato, mas a proteção da coletividade, a preservação dos valores democráticos e republicanos".

Para o procurador, a renúncia ao cargo de senador com a finalidade de escapar de processo por quebra de decoro parlamentar e de preservar a capacidade eleitoral consistiu "em burla rejeitada por toda a sociedade".

O excesso de zelo do tribunal com as garantias individuais de criminosos está gerando duas consequências nefastas para o País, na opinião do procurador-geral da República: "A impunidade de bandidos de colarinho branco e o crescimento do número de políticos ficha-suja no Congresso." Ele lamentou que o tema corrupção tenha passado "de raspão" no debate das eleições deste ano e afirmou que o modelo vigente no Supremo "não é bom para a imagem política do País".

Gurgel deu a declaração em entrevista após abrir ontem o X Encontro Nacional da 2.ª Câmara do Ministério Público, dedicada ao combate a crimes contra o patrimônio público. Ele criticou o fato de, em toda a sua existência, o STF só ter condenado à prisão dois parlamentares no exercício do mandato, ambos neste ano. Para o procurador-geral, se a lei da ficha limpa não for aplica já, o clamor público pode arrefecer e o Congresso Nacional vai revogar a medida. "A lei não vai ficar intocada até a próxima eleição, acho que a abrandam", previu. "É crescente o número de parlamentares com problemas criminais que chegam ao Congresso a cada eleição e eles vão agir."

Segundo levantamento da ONG Transparência Brasil, 208 dos 513 deputados federais (41%), têm problemas com a Justiça ou com tribunais de contas, enquanto no Senado somam 29 (ou 36%) os parlamentares com pendências. Pelo menos 80 deles se reelegeram para Câmara e Senado na eleição de 3 de outubro. Isso sem contar os novatos, que chegaram ao Congresso com delitos acumulados em passagens anteriores por prefeituras, câmaras de vereadores ou assembleias legislativas estaduais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.