Procurador-geral do DF deixará o cargo em julho

Envolvido no escândalo de corrupção que derrubou o então governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, o Ministério Público do DF mudará de comando. O procurador-geral Leonardo Bandarra, suspeito de ter recebido propina mensal do ex-governador, deixará o cargo no início de julho, ao término de seu mandato.

Felipe Recondo, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2010 | 00h00

Disputam a vaga de chefe do Ministério Público os promotores de Justiça Carlos Alberto Cantarutti e Diaulas Ribeiro e a procuradora de Justiça Eunice Carvalhido.

Cantarutti encabeça a lista tríplice levada ontem ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Ele venceu as eleições internas, deixando Eunice Carvalhido em segundo lugar e Diaulas Ribeiro em terceiro.

Preterido. Lula não é obrigado a nomear o primeiro colocado da lista. No Ministério Público do Distrito Federal, por sinal, o presidente já escolheu o segundo candidato mais votado para comandar a instituição. Em 2004, Bandarra venceu as eleições internas da categoria, mas foi preterido por Lula, que nomeou Rogério Schietti.

Terminado o mandato, Bandarra poderá ser processado pela Justiça Federal e não mais pelo Superior Tribunal de Justiça. Procuradores esperam o fim do foro especial para incluírem Bandarra na investigação que atinge a promotora Deborah Guerner. Ela é suspeita de intermediar o pagamento de propina ao procurador-geral do DF em troca da promessa de não interferência em contratos suspeitos firmados pelo governo do Distrito Federal com empresas de lixo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.