Procurador vai pedir afastamento de promotor que baleou a mulher

O procurador-geral de Justiça, Luiz Antônio Guimarães Marrey, vai pedir nesta terça-feira ao Conselho Superior do Ministério Público Estadual (MPE) o afastamento do promotor João Luis Portolan Galvão Municcelli Trochmann, preso em flagrante na madrugada de sábado após ter baleado a mulher, a advogada Erika May Trochmann. O promotor, que atuava no Centro de Integração da Cidadania, está preso no Regimento 9 de Julho da PM.Trochmann foi detido na Santa Casa de Valinhos, para onde ele mesmo havia levado a mulher, baleada no queixo. Após o atendimento inicial, Erika disse que o marido era o autor do disparo. Ele havia contado para a polícia que tinham sido vítimas de assalto. O promotor também teve a mão ferida por um tiro.Na tarde desta segunda, Erika deixou a UTI do Hospital Samaritano, de Campinas, e foi para um quarto.Marrey espera encerrar a investigação até o fim da semana. Para o procurador-geral, a situação inicial indica mesmo que o promotor tentou assassinar a mulher. A advogada de Trochmann, Tereza Doro, esteve nesta segunda com o promotor no quartel da PM e disse que seu cliente afirma que o disparo foi acidental. "Eles discutiam e ele estava com a mão no rosto dela quando houve o disparo."O promotor diz que pegou a arma para se matar. Erika havia acabado de contar ao marido, com quem estava havia um ano e meio, que tinha conseguido uma liminar de separação de corpos. Na casa, em Valinhos, havia sinais de luta.A advogada pediu à perícia que procure no projétil extraído do rosto de Erika vestígios de sangue do promotor. O mesmo tiro pode ter atravessado a mão dele e entrado pelo queixo da mulher.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.