Procuradora acusada de maltratar criança continua foragida no Rio

Ela responde por crime hediondo de tortura contra uma menina de dois anos que pretendia adotar

Ricardo Valota, do estadão.com.br

06 de maio de 2010 | 07h43

Continua foragida a procuradora aposentada Vera Lúcia de Santana Gomes, que responde por crime hediondo de tortura contra uma menina de dois anos que ele pretendia adotar. Após o juiz Guilherme Schilling Pollo Duarte, da 32ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, decretar, na tarde de quarta-feira, 5, a prisão preventiva de Vera Lúcia, policiais começaram a procurar pela procuradora.    

 

Veja também:

link MP pede indenização para menina agredida no Rio

 

Eles foram até o apartamento dela, em Ipanema, na zona sul do Rio, mas não encontraram ninguém. Durante a noite, o imóvel estava com as luzes apagadas, porém com a janela aberta. A busca continuou em Búzios, região dos Lagos do Rio de Janeiro, onde ela tem uma casa e em outras cidades do Estado. O advogado da procuradora afirmou que ela ainda está no Rio.

 

Leite disse que, até o final da tarde desta quinta-feira, 6, vai impetrar um habeas corpus no Tribunal de Justiça do Rio para pedir a anulação da decisão de Guilherme Schilling. Segundo o advogado, Schilling não teria competência para mudar um despacho dado por um juiz da sua mesma vara, da mesma instância. Isso caberia a um desembargador, afirmou Leite, que considerou a decisão "antijurídica e inconstitucional".

 

Segundo o juiz Guilherme Schilling, na denúncia contra a procuradora, há indícios suficientes de que a ré cometeu mesmo o crime - o que justifica sua prisão. O juiz disse também que a liberdade da procuradora aposentada põe em risco a busca por provas e a garantia da ordem pública. As fotografias da criança ferida, os resultados dos exames que apontaram agressões frequentes e os relatos de testemunhas foram fundamentais para a decisão da justiça.

 

Num dos depoimentos, uma ex-empregada disse que Vera Lucia bateu com a cabeça da criança numa mesa de mármore. O juiz destacou ainda que outro menor já esteve sob guarda irregular da procuradora e também foi vítima de maus tratos e agressões. As informações são da TV Globo.

Tudo o que sabemos sobre:
Rioprocuradora

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.