Procuradora tem ataque de nervos durante julgamento

Num gesto interpretado pelo relator Luiz Moreira como "puro teatro para reforçar a defesa", a procuradora Deborah Guerner teve um ataque de nervos durante o julgamento do seu processo. Descontrolada, ela saiu da sessão 40 minutos após a abertura e criou um princípio de tumulto no corredor enquanto falava com o marido ao telefone.

Vannildo Mendes, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2011 | 00h00

Deborah fez acusações ao procurador-geral Roberto Gurgel, que presidia a sessão, e levantou dúvidas se os colegas teriam coragem de condená-la. A procuradora se disse alvo de "perseguição sórdida" e de "politicagem". "A verdade é que não tenho nada com isso. Estão se baseando na palavra de dois bandidos para nos condenar", disse ela, referindo-se a Durval Barbosa e José Roberto Arruda.

O advogado Pedro Paulo de Medeiros, que a defendeu, alegou que ela sofre de patologia mental, o que a torna inimputável e incapaz para exercer função pública. Laudo oficial anexado aos autos mostrou que Deborah "tem raciocínio claro, comunicação lúcida e capacidade de perceber a realidade e lidar com o meio externo". O documento atesta que ela "é uma pessoa normal na capacidade de julgamento e na esfera cognitiva".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.