Procuradora vai a Bauru tratar de indenização à família de menor

Valor deverá ser obtido através de variáveis locais e do STJ. Definição é prevista para daqui a 30 dias

Jair Aceituno, da Agência Estado,

05 de janeiro de 2008 | 14h08

A procuradora Paola de Almeida Prado, da Procuradoria Geral do Estado, viajará a Bauru na próxima terça-feira, 8, para encontrar-se com a família do menor Carlos Rodrigues Junior, morto por seis policiais, com choques elétricos, na madrugada de 15 de dezembro, e tratar da indenização determinada pelo governador José Serra. A família e seu advogado adiantam que ainda não têm valor definido e preocupam-se mais com a punição dos policiais do que com o recebimento de qualquer dinheiro. O valor deverá ser obtido através de variáveis locais e de decisões do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para casos análogos. A definição é prevista para daqui a 30 dias. O delegado Marcelo Haddad, que preside o inquérito da morte do jovem, interrogou os policiais na sexta-feira no presídio Romão Gomes, em São Paulo. As oitivas começaram às 9h30 e estenderam-se até depois das 22 horas. O inquérito procura apurar qual a participação de cada indiciado.

Tudo o que sabemos sobre:
Bauru

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.