Produtor de banda gaúcha que tocou na boate Kiss diz que comprou fogos

Mas Luciano Augusto Bonilha Leão nega participação no show pirotécnico que provocou o incêndio

Elder Ogliari,

12 Março 2013 | 20h08

PORTO ALEGRE - O produtor musical do grupo Gurizada Fandangueira, Luciano Augusto Bonilha Leão, disse que comprou os fogos, mas não participou do show pirotécnico que provocou o incêndio na boate Kiss, em depoimento prestado à polícia gaúcha nesta terça-feira. Os delegados que investigam a tragédia que matou 241 pessoas também tentaram ouvir o empresário Mauro Hoffmann, um dos sócios da casa noturna, mas foram informados pela defesa de que ele só falará em juízo.

A polícia quer interrogar na quarta-feira (11) o outro sócio da casa, Elissandro Spohr. O advogado dele, Jáder Marques, quer ter acesso aos depoimentos de outras testemunhas para saber de acusações e informações que considera erradas. Caso não consiga, vai pedir o cancelamento do depoimento.

Depois de cruzar informações das listas de mortos, feridos atendidos em hospitais e pessoas que informaram seus nomes pela internet, a polícia acredita que mais de mil pessoas estiveram na Kiss na noite da tragédia. Como a capacidade da casa era de 691 pessoas, o número confirmaria a superlotação. O advogado de Spohr questionou os números por considerar a internet pouco confiável e também por entender que a lotação conhecida é de um projeto antigo da boate, que teria aumentado sua capacidade posteriormente.

Spohr, Hoffmann, Leão e também o vocalista Marcelo de Jesus dos Santos estão presos preventivamente na Penitenciária de Santa Maria como principais suspeitos pela tragédia, ocorrida no dia 27 de janeiro. A polícia vai concluir o inquérito nos próximos dias e pode apontar também outras pessoas como responsáveis pelo incêndio, por negligência na emissão de documentos e fiscalização.

Mais conteúdo sobre:
Santa MariaKissincêndio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.