Reprodução Storify/Estadão
Reprodução Storify/Estadão

Professor diz ter 'levantado discussão dos valores' com questão sobre Valesca

Prova de Filosofia em escola do Distrito Federal foi duramente criticada nas redes sociais

Celso Filho, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2014 | 13h11

Uma prova de Filosofia gerou polêmica nas redes sociais esta semana ao citar a cantora Valesca Popozuda como "grande pensadora contemporânea" e seu fazer referência ao hit Beijinho no Ombro. A questão, aplicada a alunos do Centro de Ensino Médio 3 de Taguatinga, no Distrito Federal, foi reproduzida e duramente criticada em páginas da internet.

A questão perguntava: "Segundo a grande pensadora contemporânea Valesca Popozuda, se bater de frente é: A - tiro, porrada e bomba; B - é só beijinho no ombro; C - recalque; D - é vida longa". Ela foi elaborada pelo professor Antônio Kubitschek, que leciona Filosofia na escola há 19 anos.

Segundo o educador, a questão foi elaborada de forma irônica para chamar atenção dos alunos e da própria imprensa para a construção de valores na sociedade atual. O tema, inclusive, já havia sido discutido em aula outras vezes. "A prova foi uma provocação. Recebemos várias críticas e muitas pessoas nem sabem o conteúdo da prova. Colocaram (a Valesca) como um ser que não é pensante, só porque é mulher e funkeira. Se fosse o Mano Brown ou o Gabriel, o Pensador, não teria dado esta polêmica", reclama.

O professor conta que a questão passou pela coordenação do centro educacional e foi aprovada antes de ser impressa. Os alunos também não contestaram o método de avaliação. "Eles riram, entenderam a provocação e fizeram a prova normalmente", explica Kubitschek, que ainda não corrigiu o exame, mas acredita que 80% acertaram a resposta.

A repercussão foi tanta que o professor não conseguiu dar aula nesta manhã por causa do assédio de jornalistas e pessoas que viram a postagem. A própria Valesca Popozuda chegou a comentar sobre o assunto nas redes sociais. Pelo Facebook, ela disse que se sentiu honrada pela homenagem e reclamou das críticas, as quais ela culpa o preconceito à música funk. "Ela entrou bem na discussão e entendeu a polêmica que quisemos gerar. Foi positivo por levantar uma discussão dos valores na sociedade", conta o professor.

No Facebook, Valesca Popozuda disse que se sentiu honrada com questão. "Se fosse um trecho de qualquer música de MPB ou qualquer música americana que tanto é valorizada por nós, será que fariam a mesma polêmica?", escreveu a cantora.

 

 
 
Tudo o que sabemos sobre:
Valesca Popozuda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.