Professor é morto ao chegar na escola em Campinas

O professor de educação física Manoel Felipe Pires de Olin, de 41 anos, foi assassinado com um tiro hoje em Campinas, a 90 quilômetros de São Paulo, quando chegava à escola, no Jardim Ieda. O professor foi baleado no tórax e socorrido no hospital Celso Pierro, da Pontifícia Universidade Católica, mas não resistiu. A polícia identificou dois suspeitos do crime mas eles ainda não foram localizados.Olin dirigia sua moto em direção à escola municipal de ensino fundamental professor Zeferino Vaz. Ele foi abordado por dois jovens em frente a outra unidade municipal de ensino fundamental, a Emílio Miotti, onde lecionou durante o ano passado. Um dos rapazes atirou e os dois fugiram na moto do professor.Vários estudantes da Emílio Miotti, que entravam para as aulas do período matutino, testemunharam o assassinato. Um dos criminosos estava de capuz. O outro teria sido identificado por algumas testemunhas.Segundo o delegado do 6º Distrito Policial de Campinas, Alfredo Cubas da Silva, o suspeito mora no bairro e deixou a Unidade de Internação Provisória (UIP) de Campinas, para onde são encaminhados menores infratores. O delegado disse que o suspeito, que já completou 18 anos, é acusado de outras ocorrências de roubo e costuma agir com o irmão gêmeo. Os dois estiveram detidos na UIP de junho do ano passado até 25 dias atrás. "Por enquanto eles são só suspeitos, ainda temos que proceder as investigações", disse o delegado.A assessoria de imprensa da Secretaria de Educação de Campinas informou que as aulas nas duas escolas municipais foram suspensas hoje, logo depois do crime. Há cerca de 20 dias, Olin registrou um Boletim de Ocorrência no 6º Distrito Policial notificando agressão entre alunos de três escolas do bairro, as duas municipais e uma estadual. O delegado descartou ligação entre o registro e o assassinato. "Os suspeitos são bandidos, não freqüentam escola, estavam presos até o mês passado", disse.

Agencia Estado,

02 de maio de 2002 | 17h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.