Professor é suspeito de jogar namorada da sacada de apartamento no interior do Paraná

Polícia acredita que Luis Felipe Manvailer atirou a vítima e depois recolheu o corpo da calçada para deixá-lo no imóvel. Ele foi preso após se envolver em acidente enquanto tentava fugir

Júlio César Lima, Especial para o Estado

24 de julho de 2018 | 00h12

CURITIBA - O professor Luis Felipe Manvailer, de 32 anos, foi preso na madrugada deste domingo, 22, sob a suspeita de ter jogado a namorada Tatiane Spitzner, de 29 anos, da sacada do seu apartamento, em Guarapuava, a 258 quilômetros de Curitiba, no Paraná. A prisão aconteceu após ele se envolver em um acidente com o seu carro na Rodovia BR-277, no sentido de Foz de Iguaçu. A polícia acredita que, após jogar a vítima, Manvailer recolheu o corpo da jovem na calçada e o levou para dentro do imóvel.

"Após dirigir a noite toda de Guarapuava até aqui perdeu o controle do carro parando entre as duas pistas que ligam São Miguel até Foz do Iguaçu. Se fosse uma situação normal ele chamaria o guincho da concessionária e sairia daquela situação, mas no caso, ele continuou a pé no sentido de Foz do Iguaçu", disse o delegado de São Miguel do Iguaçu, Francisco Sampaio.

Segundo a polícia, o suspeito tentava fugir para o Paraguai. "Chama atenção que após o tombo ou empurrar, ele foi lá e recolheu o cadáver, trouxe para o prédio, pegou o carro da família e tentou fugir, pensou eu que para o Paraguai. Ele nega o tempo todo (ter jogado), a polícia trabalha com indícios, tanto é que não acreditei na versão dele e enquadrei a atitude dele como feminicídio", disse o delegado. 

A discussão entre os dois teria ocorrido na noite de sábado, na comemoração do aniversário de Manvailer, quando a vítima teria pedido para olhar o telefone do namorado. "A partir dali começaram as discussões, seguiram dali pra casa discutindo ainda e em casa, de acordo com ele, a discussão aumentou o tom, ela veio pra cima dele, que a imobilizou no sofá, e de acordo com ele, ela tomou o rumo da sacada e teria se atirado de repente", relatou Sampaio. 

O delegado, porém, não acredita nessa versão. "Essa versão não me parece nem um pouco verossímil, até porque alguns vizinhos foram ouvidos já, no sentido que ela gritava por socorro por várias vezes, inclusive quando foi até a sacada", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Guarapuava [PR]feminicídiohomicídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.