Professora que teve pernas amputadas pede justiça

A professora Andréia Lisboa Salgado, de 33 anos, que teve as duas pernas amputadas no acidente com a lancha Pimba Pimbinha, no sábado, disse hoje que a prisão do responsável pelo desastre que também causou a morte do banhista Gabriel Borges Soares, de 16 anos, será ?um alívio?. ?Não vai devolver as minhas pernas nem a vida do Gabriel, mas vai dar um alívio saber que o rapaz que fez isso não vai fazer com mais ninguém. O crime não pode ficar impune, a gente quer que o culpado seja preso.? Ela está internada no Hospital de Clínicas de Jacarepaguá e se recupera bem do acidente. Ela ganhou duas próteses de um empresário de Sorocaba, Nelson Molet. ?Foi muito bom ganhar as próteses, mas se não tivesse essa sorte nem dinheiro para comprar, ficaria na cadeira de rodas sem problema nenhum.? A polícia identificou hoje um terceiro tripulante da embarcação, conhecido como Alex, que seria ouvido à noite. O delegado intimou novamente o cabo da Marinha Marcos Manoel Corrêa Cavalcante a depor amanhã no inquérito que apura a causa do acidente. O piloto da lancha, Armelindo Corrêa de Miranda, disse à policia, na segunda-feira, que era auxiliado por Cavalcante e acusou o militar de estar ?bêbado? e de ter quebrado a alavanca de controle de velocidade da embarcação ao tentar destravá-la. Miranda argumenta que uma pane mecânica no equipamento teria deixado a lancha fora de controle. O acidente aconteceu no sábado, em Itacuruçá, distrito de Mangaratiba, no litoral sul do Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.