Professores acusam filha de Rosinha de incitar a violência

Dois professores de Volta Redonda, na região do Médio do Paraíba, registraram queixa hoje na polícia contra a filha da governadora Rosinha Matheus (PSB), Clarissa Matheus, que comandou, na segunda-feira, uma contra-manifestação durante ato de servidores estaduais com salários atrasados. Segundo eles, durante o protesto, Clarissa incentivou a violência e um grupo de professores foi agredido por manifestantes a favor da governadora.O diretor do Sindicato de Profissionais de Educação do Estado (Sepe), Gualberto Tinoco, considera a filha da governadora co-autora nas agressões sofridas pelos manifestantes. Eles foram agredidos fisicamente e tiveram os cartazes e faixas abaixados. "Ela comandava, dava ordem para as pessoas que foram pagas para estar lá", disse Tinoco. O tumulto foi em frente ao Palácio Guanabara, sede do governo estadual. Os dois grupos foram separados pela Polícia Militar, que fez um cordão de isolamento. Até o início da noite, a assessoria de imprensa da governadora não havia comentado o fato.O presidente regional do PSB, Alexandre Cardoso, enviou fax respondendo à queixa prestada contra Clarissa. "Eles sabem que agiram mal ao atentar agredir a governadora na Assembléia Legislativa (no mês passado, em outro ato) e agora estão fazendo esta armação com a Clarissa para desfazerem a imagem de violentos", diz a nota. Segundo Cardoso, a filha de Rosinha é uma "pacifista".

Agencia Estado,

19 de março de 2003 | 18h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.