Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Professores da rede municipal do Rio decidem manter greve

Categoria espera decisão da Justiça sobre o mandado de segurança para anular a sessão da Câmara que aprovou plano de cargos

Adriano Barcelos, O Estado de S. Paulo

09 Outubro 2013 | 12h07

Atualizado às 12h50.

RIO - Os professores da rede municipal do Rio de Janeiro, em greve desde 8 de agosto, decidiram manter a paralisação. Eles estiveram reunidos em assembleia no Club Municipal na Tijuca, zona norte da capital fluminense, na manhã desta quarta-feira, 9, para definir os rumos do movimento. Está prevista para a tarde uma caminhada, possivelmente até a sede da prefeitura, no bairro Cidade Nova.

A categoria espera para esta quarta-feira, ou no máximo para quinta, uma manifestação do Poder Judiciário sobre o mandado de segurança impetrado por nove vereadores de oposição para anular a sessão da Câmara Municipal do Rio que aprovou o novo plano de cargos e salários da rede de ensino, combatido pelo Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe). Eles alegam que não havia segurança para realizar a votação porque a PM reprimiu manifestantes do lado de fora do Palácio Pedro Ernesto. A Câmara não teria ainda permitido o acesso do público às galerias, o que seria ilegal.

Um dos autores da ação, vereador Eliomar Coelho (PSOL) disse que "a decisão pode sair a qualquer momento" e que o Judiciário, na segunda-feira, teria dado 48 horas para que o Legislativo se manifeste.

Repercute entre os professores a declaração do prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), de que não negociaria mais com o Sepe. "Essa postura de cabo de guerra não ajuda em nada, perde a educação pública", afirmou o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), candidato derrotado à Prefeitura do Rio.

Mais conteúdo sobre:
professores Rio greve

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.