Professores mantêm ocupação na Câmara dos Vereadores do Rio

Policiais militares tentam retirar manifestantes, mas grupo pretende permanecer na sede até a próxima terça-feira

Adriano Barcelos - O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2013 | 12h14

RIO - Professores da rede municipal do Rio que ocupam a sede da Câmara dos Vereadores desde a quinta-feira, 26, foram surpreendidos no fim da noite de sexta-feira, 27, por grande aparato da Polícia Militar, que foi ao Palácio Pedro Ernesto, sede do Legislativo municipal, para tentar retirá-los de lá. A intenção do grupo é continuar no local até a próxima semana.

 

Os ocupantes, mais de 200 segundo representantes do Sindicato dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe), não concordaram em deixar o prédio porque a liminar apresentada é de 20 de agosto e se referia a uma ocupação anterior, já encerrada - a de manifestantes que protestavam contra a composição CPI dos ônibus na Câmara.

 

Os policiais deixaram a sede do Legislativo municipal, na Cinelândia, região central do Rio, por volta da 1h deste sábado, 28. A presença dos PMs foi interpretada pelos professores como tentativa de intimidação, mas o grupo reitera que está sendo bem tratado no prédio, por funcionários da Câmara e pelos policiais que fazem a segurança do plenário.

 

Segundo Ivanete Conceição da Silva, coordenadora-geral do Sepe, o propósito dos manifestantes o é manter a ocupação até a terça-feira, quando está prevista a votação de um novo plano de carreira para a categoria. De acordo com os professores, a proposta foi encaminhada pelo prefeito Eduardo Paes (PMDB) diretamente para os vereadores e, segundo os ativistas, contraria compromissos firmados entre a prefeitura e o sindicato.

 

Os sindicalistas não querem deixar o Palácio Pedro Ernesto porque temem que a Câmara - em sua maioria composta por integrantes da base governista - decida votar o projeto em sessão fechada, sem o acesso dos professores. "Este projeto do plano de carreira não tem como ser aproveitado. Somos pela retirada completa da proposta", afirma Ivanete.

 

A Câmara afirma que não vai fazer uso da força para garantir a desocupação do prédio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.