Professores municipais ocupam gabinete do prefeito do Rio

Eles protestam contra o projeto de lei que cria o plano de cargos e carreiras da Secretaria de Educação

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

20 Setembro 2013 | 18h22

RIO - Cerca de 30 professores municipais ocupam o 13.º andar do Centro Administrativo São Sebastião, onde funciona o gabinete do prefeito Eduardo Paes (PMDB), na Cidade Nova. A intenção do grupo é protestar contra o projeto de lei que cria o plano de cargos e carreiras da Secretaria Municipal de Educação. Eles pretendiam ser recebidos pelo prefeito, mas a assessoria de Imprensa da prefeitura informou que Paes não está no prédio administrativo. Ele despacha do Palácio da Cidade, em Botafogo, na zona sul.

Os professores decidiram em assembleia retomar a greve, que havia sido interrompida no dia 10. Eles alegam que o projeto de lei do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração, encaminhado pela prefeitura à Câmara de Vereadores, só beneficia 10% da categoria - aqueles que têm carga horária de 40 horas semanais. A maioria dos professores trabalha no regime de 16 horas ou 22 horas.

Depois da assembleia, a categoria saiu em passeata da Tijuca até a sede administrativa da prefeitura, na Cidade Nova. Lá, um grupo subiu até o gabinete do prefeito. A segurança foi reforçada pela Guarda Municipal. Na Candelária, no Centro, professores da rede estadual também se reuniram e caminharam até a Cinelândia. Os dois protestos provocaram longos engarrafamentos na região central da cidade, com reflexos na zona norte.

Mais conteúdo sobre:
greveprofessoresprefeito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.