Programa contra o estresse

Pré-candidatos ao Planalto tentam garantir momentos de relaxamento na agenda pesada

Ana Conceição, Carolina Freitas e Gustavo Uribe, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2010 | 00h00

A menos de cinco meses das eleições, os três principais pré-candidatos à Presidência intensificam a maratona de viagens e aparições públicas atrás do voto do eleitorado de Norte a Sul do País.

O ex-governador José Serra (PSDB), a ex-ministra Dilma Rousseff (PT) e a senadora Marina Silva (PV) desdobram-se agora para conciliar a agenda pesada com momentos de relaxamento.

"Há uma grande pressão sobre os candidatos, algumas autoimpostas e outras vindas do ambiente. Eles têm pouco tempo para si", explica a doutora em psicologia Ana Maria Rossi, presidente da International Stress Management Association no Brasil (Isma-BR). "Se eles excederem sua tolerância às pressões por períodos frequentes ou prolongados, vão ter sequelas, como alterações na pressão arterial, dores de estômago e arritmia cardíaca", avisa.

Menos tenso depois de ter deixado o governo de São Paulo e assumido a intenção de concorrer à Presidência, Serra, de 68 anos, pretende manter durante a campanha o tratamento de acupuntura iniciado há 13 anos. "Dá mais energia e desestressa", diz ele.

Dilma, de 62 anos, também é adepta da prática chinesa. Quando a agenda da petista aperta e ela fica algum tempo sem o tratamento, o acupunturista Gu Hangu telefona para a paciente ilustre e agenda uma sessão.

Serra complementa as sessões com caminhadas na esteira e aulas de alongamento, todos os dias. O esporte favorito do presidenciável é jogar bola com os netos Antonio e Francisco. "Relaxo muito quando estou com eles", conta. Gabriela, de 2 anos, costuma acompanhar o avô em passeios nos dias de folga, como à sorveteria e ao cinema. Aos domingos, Serra é que coloca a menina para dormir.

Dilma espera para setembro seu primeiro neto, Gabriel. Sempre que pode, viaja para Porto Alegre para ver a filha grávida, Paula. Enquanto isso, garante a diversão e o exercício físico com a companhia do cão labrador Nego, em caminhadas à beira do Lago Paranoá, em Brasília.

"Faz muito bem o contato com crianças e animais de estimação, pois eles não cobram nada da pessoa e ela se sente envolvida", explica Ana Maria. "Esse momento quebra a escalada mental de estar sempre pensando, planejando."

Alérgica ao pelo de animais e com os quatro filhos já adultos, Marina, de 52 anos, usa o tempo livre para fazer colares com sementes da Amazônia e escrever poesias sobre o universo feminino e o amor. Evangélica, costuma também ler a Bíblia. "É importante agendar momentos para se recompor mentalmente do desgaste, momentos quietos para clarear a mente de qualquer pensamento ativo", diz Ana Maria.

A especialista recomenda ainda técnicas de autocontrole, que podem ser usadas em qualquer situação, como a respiração abdominal. Feito antes de dormir, o exercício ajuda no repouso.

Dormir, aliás, não tem sido tarefa fácil para os presidenciáveis. Marina dorme seis horas por noite; Serra, cinco. Os dois aproveitam os voos longos para tirar uma soneca. Dilma repõe o sono em dias com menos compromissos. A insônia de Serra lhe rendeu o título de fundador da Liga dos Indormíveis, grupo informal de internautas insones.

"Cada um tem seu tempo adequado de sono. Se a pessoa acorda disposta, é porque dormiu o suficiente, mesmo que seja menos do que as oito horas recomendadas por noite", explica Ana Maria. Ela reforça, no entanto, a importância do equilíbrio. "Se você emendar vários dias dormindo menos do que precisa, tem de recuperar o sono assim que puder."

De madrugada, Serra atualiza sua página na rede de microblogs Twitter, lê livros que não falem de política, assiste a filmes, ouve músicas ou, simplesmente, divaga. Caseira, Dilma gosta de atividades parecidas, mas de dia. Antes da pesada rotina , a petista chegava a ler três livros por semana.

Alimentação. Uma dieta saudável é outra ferramenta da rotina antiestresse dos presidenciáveis nesta campanha. Serra come pouco, várias vezes ao dia, e dá preferência às frutas e pratos leves. "Uma atitude positiva", avalia a nutricionista Silvia Papini Berto, professora do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu.

Dilma, que emagreceu dez quilos em 2008 e fez plástica no rosto em 2009, incluiu no cardápio verduras, legumes e peixes, itens essenciais para manter a energia. "Carnes magras, leguminosas e verduras devem fazer parte de todo cardápio", recomenda Silvia.

Marina tem os mesmos hábitos alimentares desde a juventude, o que explica o fato de seu peso manter-se entre 50 e 55 quilos há 30 anos.

As restrições alimentares a lácteos, ovos, frutos do mar e carnes vermelhas foram causadas por alergias e doenças contraídas quando a senadora trabalhava em um seringal, no Acre, quando teve malária, hepatite, leishmaniose e intoxicação por mercúrio. "Restrinjo o açúcar em bebidas e não consumo álcool", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.