Programa de Serra vai destacar saúde da mulher

Ainda que não tenham invocado a questão da mulher como tema central de campanha da mesma forma que Dilma Rousseff, os candidatos José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV) também abordam o tema em seus pronunciamentos, mas, assim como a petista, ainda não apontaram ações específicas em suas diretrizes de programas de governo protocoladas no TSE.

, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2010 | 00h00

O Estado teve acesso às diretrizes do programa de governo referente às políticas públicas para mulheres que serão divulgadas nos próximos dias. O tema central será a saúde da mulher, tanto referente a aspectos prevenção quanto à reprodução.

A atuação de José Serra como ministro da Saúde no governo de Fernando Henrique Cardoso é um dos dividendos políticos que o candidato pretende explorar. O tucano constantemente cita programas que implementou como ministro, como o "Mãe Canguru", que incentiva o parto humanizado na rede pública e permanência dos recém-nascidos com as mães.

Nas diretrizes de programa de governo referentes a políticas públicas para mulheres, Serra dará destaque à questão de exames de mamografia, prometendo atendimento no SUS. O tema será abordado como iniciativa conjugada a políticas para a redução da taxa de mortalidade materna, quatro vezes maior que a registrada no Chile, por exemplo.

O candidato tucano já afirmou que, se eleito, vai adotar o "Mãe Brasileira", um programa federal que seria a extensão do "Mãe Paulistana", projeto de auxílio à gestante, lançado pelo tucano ainda quando estava à frente da Prefeitura de São Paulo.

No quesito violência contra a mulher, o candidato do PSDB vai dar ênfase à construção de abrigos institucionais para vítimas de violência feminina e também de delegacias especializadas.

Marina Silva, que nas diretrizes de seu programa de governo promete evitar embates vazios e consensos ocos", menciona mais especificamente a questão da mulher apenas no capítulo educação, quando promete "apoiar a ampliação de instalações apropriadas, com condições básicas de higiene e profissionais qualificados, para que as mulheres possam trabalhar com tranquilidade". /M.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.