Proibida a entrada de cães

Carta 19.756

O Estadao de S.Paulo

25 de junho de 2008 | 00h00

Não é permitida a entrada de cães no Parque Municipal do Cordeiro, na Rua Breves, Chácara Monte Alegre. Mas a Portaria 4/05 da Secr. do Verde garante o acesso de cães aos parques municipais. Muitos freqüentadores não querem a sua presença, alegando que eles sujam o parque com dejetos e mordem as crianças. Nunca vi nada disso e creio na civilidade dos moradores da região. Dizem que haverá um anexo onde a entrada será liberada, mas o local é de difícil acesso, e vou ao parque também para passear com o bebê. A Praça Martin Luther King foi arbitrariamente incorporada ao parque, com restrição de horário para freqüentá-la (e sem cães). Grades e portões não resolverão a violência na cidade, mas um parque democrático integraria a sociedade, melhor ao aprender a aceitar as diferenças. A administradora ?sugeriu? que eu ?pare de incomodar os freqüentadores?, e me senti não bem-vinda, porque tenho cão. Poderiam retirar do parque os donos de cães que não se portarem adequadamente e não recolherem os dejetos - mas que a lei a favor de quem respeita o espaço público seja cumprida.GABRIELA PREVIDELLOChácara Monte AlegreA secretaria responde:"Devido a pedidos de freqüentadores, o acesso de animais é permitido na área ?pracinha?, até que o local previsto para esse uso seja aberto. A destinação de áreas para diferentes usos entende organizar o espaço de convivência entre os vários públicos. Estamos à disposição para encaminhar questões para deliberação ao Conselho Gestor do parque."Carta 19.757Ainda o Campo BeloEm ref. à carta de Waldemar Luiz Kunsch (Um campo que já foi Belo), a Presidência da Câmara Municipal de SP responde: "A carta é muito oportuna, uma vez que faz referência ao Plano Diretor aprovado em 2002, que será objeto de análise e, se necessário, de adequação pela Câmara. Está na casa o Projeto 671/07, que prevê esse estudo. A questão também é objeto de análise na Justiça, para verificação das mudanças pretendidas. A Comissão de Política Urbana analisa o projeto e recebe sugestões de munícipes. Já houve - e deverão ser convocadas - novas reuniões temáticas para tratar do plano. As convocações são divulgadas no Diário Oficial do Município."O leitor comenta: Muito bem! Mas, no caso do Campo Belo, se houve ?plano diretor?, ele já não pode mais ser ?objeto de adequação?, pois espigões estão brotando onde antes se previam só prédios de 8 andares.Concordo em gênero, número e grau com o sr. Waldemar Kunsch. Sou diretor-presidente do Movimento de Moradores do Campo Belo e por isso digo: Calma, sr. Waldemar, calma!, pois como dizia um grande filósofo patrício ( fiscal de rendas aposentado), D. Fúnfuro Giovanni Bellacosa: Toda situação ruim é suscetível a piorar. O notável e conspícuo Poder Público Municipal, que tão belos exemplos de competência já deu à nossa acolhedora cidade, nos agraciou com a destruição do sul do nosso bairro, pela Operação Urbana A. Comovidos com o ?buá-buá? dos simpáticos rapazes do Clube dos Admiradores do Tijolo, que abnegadamente insistem em revogar parte da zona 1 ao longo da Bandeirantes, começando a 30m do motel vertical Bahamas, no que poderá resultar em 80 a 120 prédios na única área ainda não cheia de espigões por estar próxima do aeroporto. E o gran finale - last, but not least - já foi dado pela ?estrepação? da nossa principal rua comercial, a Vieira de Morais, suprimindo seu acesso direito à Washington Luís, do que resultou situação desfavorável a mais de 300 comerciantes e empresários. Empolgado com tanta deferência, proponho dois projetos de lei: como o bairro já foi pasto da Força Pública, será chamado de Campo dos Onagros; e o outro batizará o deslumbrante canteiro, construído onde era o acesso à Vieira de Morais e à Washington Luís, de Praça dos Otários.ANTÔNIO CUNHA NASCIMENTO HEITORCampo BeloAgradeço à coluna a publicação de minha carta sobre o desrespeito habitual às vagas de portadores de deficiências (Necessidades especiais, 24/12/07). Mas o desrespeito continua... É necessário que a sociedade se conscientize das reais necessidades dessas pessoas para que todos respeitem o direito que temos de usá-las.FERNANDA SOUZA SANTOSCapitalAgradeço a rápida e eficiente solução do meu problema. Ontem, dia 15, mandei um e-mail ao Estadão, e já hoje o técnico da NET veio à minha casa e resolveu o caso.HANS FREUDENTHALCapitalCorrespondência para São Paulo Reclama: e-mails para spreclama.estado@grupoestado.com.br; cartas para Av. Eng.º Caetano Álvares, 55, 6.º, CEP 02598-900 ou fax 3856-2929, com nome, end., RG e tel., a/c de CECILIA THOMPSON, podendo ser resumidas a critério do jornal. Cartas sem esses dados não serão consideradas. As respostas não publicadas serão enviadas pelo correio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.