Projeto de Rosinha acelera punição de policiais corruptos

A Assembléia Legislativa vota amanhã projeto de lei da governadora Rosinha Garotinho que acelera o processo de punição de policiais civis corruptos. O prazo de investigação, que hoje é de três a cinco anos, será reduzido para seis meses pela proposta. O projeto previa ainda a transferência da prerrogativa de exonerar o mau policial da governadora para o secretário. Mas este item, considerado essencial pela Secretaria de Segurança foi cortado por emendas parlamentares.Hoje, o secretário Anthony Garotinho esteve na Alerj e se reuniu com o presidente da assembléia, deputado Jorge Picciani (PMDB), e líderes dos partidos, para negociar a manutenção do artigo que dá a ele o poder de demitir os policiais e apressar a votação, que tramita na casa desde setembro. Garotinho saiu da reunião certo de que o texto original será restaurado no plenário.O secretário explicou que o projeto de lei contempla somente policiais civis, porque os militares já têm sistema de investigação e punição mais ágil. Para Garotinho, o projeto de lei é essencial para o bom funcionamento da Inspetoria Geral das Polícias, quarto órgão criado pelo Estado para tentar coibir a corrupção policial ? já existem as corregedorias da Polícia Civil, da Polícia Militar e a Geral Unificada, esta sem titular.Na véspera, Garotinho já havia baixado uma série de normas que obriga policiais a fazerem declaração de bens, informarem endereços, telefones e celulares aos seus comandantes e delegados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.