Projeto prevê leitura da Bíblia em escolas públicas

Antes da aula, a Bíblia. Projeto do deputado estadual Alessandro Calazans (PV), aprovado hoje em primeira discussão na Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), quer tornar obrigatória a leitura de versículos bíblicos nas escolas da rede pública estadual. "Antes do início das aulas, o professor ou um aluno leria um versículo. Isso já acontece no Congresso americano. Antes de começarem os trabalhos, eles lêem a Bíblia como uma forma de inspiração", afirma o parlamentar, que é evangélico e freqüenta a Igreja da Graça.O deputado afirma que "independente da questão religiosa", a Bíblia pode ser lida pelo seu caráter histórico. "Em novembro, estive no Iraque e visitei a Babilônia. Como a comunicação era difícil, consegui complementos históricos lendo a Bíblia no quarto do hotel", relata Calazans. Ele argumenta ainda que a Bíblia é o livro mais lido do mundo.O deputado não acha que o projeto possa causar polêmica ao misturar Igreja e Estado. "Não acredito. Você não estará pregando a palavra. Será apenas a leitura de um dos livros mais lidos, com palavras altamente positivas e representativo da história da humanidade", diz. Calazans também não vê problemas com a população não-cristã. "Mesmo as outras religiões reconhecem a Bíblia", afirma. O projeto volta a ser apreciado pelos deputados na próxima terça-feira e, se aprovado, dependerá da sanção do governador Anthony Garotinho (PSB), também evangélico, para entrar em vigor. "Vou conversar com o governador. Ele conhece a Bíblia muito bem e sabe da importância desse projeto", diz o deputado.

Agencia Estado,

21 de março de 2002 | 19h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.