Projeto prevê telefone contra falso seqüestro

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara aprovou ontem, por unanimidade, projeto que prevê a instalação de um dispositivo de segurança nos telefones celulares e fixos para ajudar a combater os falsos seqüestros. O texto, de autoria do deputado Beto Mansur (PP-SP), prevê que os proprietários dos telefones poderão acionar as companhias telefônicas assim que receberem uma ligação suspeita.Assim que isso ocorrer, segundo o projeto, começará a chamada conferência forçada, com a gravação da conversa dele com o bandido, enquanto a empresa telefônica tentará identificar o local de onde partiu o telefonema. Para acionar as empresas, Mansur propõe que cada pessoa cadastre uma senha ou escolha uma tecla de emergência a ser pressionada durante a ligação.SEM CUSTO EXTRA"Temos de usar a tecnologia para combater esse crime. Não haveria necessidade de trocar os aparelhos, mas apenas registrar uma senha ou uma tecla de emergência", explicou Mansur. Para o deputado, o serviço extra não deveria ser pago e faria parte do pacote já oferecido por cada empresa. "Seria uma obrigação da concessionária. Se ela investe para colocar a própria imagem em nossos celulares, por que não investir em nossa segurança? É uma questão de responsabilidade social."O projeto ainda terá um longo caminho até virar lei: passará pela Comissão de Ciência e Tecnologia e depois pela Comissão de Constituição e Justiça. Depois, será levado ao plenário da Câmara e, se for aprovado, irá para o Senado, onde enfrentará maratona semelhante.Durante a tramitação na Comissão de Ciência e Tecnologia, Mansur pretende marcar audiências públicas para ouvir representantes das empresas e das polícias. "Podemos ver se, ao acionar a tecla de emergência, o usuário entrará em contato direto com a companhia e esta poderá ter uma ligação direta com a polícia", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.