AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Projeto propõe despejar governo do RJ de palácio

Um projeto de lei encaminhado à Assembléia Legislativa do Rio (Alerj) pede que o Palácio Laranjeiras deixe de ser a residência oficial do Governo do Estado. A idéia é que a construção, tombada pelo Patrimônio Histórico Artístico Nacional (Iphan), seja preservada e sirva apenas como museu aberto à visitação pública. A governadora do Rio, Rosinha Matheus, mora no palácio com o marido, o secretário de Segurança Anthony Garotinho, e sete filhos. O projeto, publicado no Diário Oficial do Estado, é do deputado Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB), que se disse preocupado com a preservação do prédio, localizado dentro do Parque Guinle, em Laranjeiras, zona sul. "O palácio é um bem tombado e não deveria ser residência oficial. Por mais ilustres e cuidadosos, os moradores podem acabar acelerando o processo de deterioração do local."Sem dar nomes, Luiz Paulo criticou o fato de as dependências do palácio serem usadas em festas que não sejam oficiais. "Festas e eventos não são característicos daquele palácio, que deveria ser um museu. Pode abrigar cerimônias com autoridades, mas não é para o cotidiano." Em julho, Clarissa, uma das filhas de Rosinha e Garotinho, comemorou seu aniversário com vários amigos nos jardins da residência, sem que o Iphan fosse avisado. O deputado nega que o projeto seja uma perseguição à governadora. A proposta entra em fase de tramitação na Alerj e não tem data para ir à votação. Por meio de sua assessoria de imprensa, a governadora informa que ainda não conhece a proposta, por isso, prefere não se pronunciar. Segundo Rosinha, a família mora na ala residencial, afastada das salas vistas pelo público. São elas que guardam os móveis, a pinacoteca, estátuas e outras peças de valor.

Agencia Estado,

16 de outubro de 2004 | 10h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.