Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Projeto que proíbe cobrança de bagagem sofre pressão, diz senador

Segundo Humberto Costa (PT-PE), matéria não foi votada na Câmara por ação de integrantes do governo e de lobistas das áreas; texto foi aprovado no Senado

Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

15 Fevereiro 2017 | 12h46

BRASÍLIA - A um mês do início da cobrança de bagagens no transporte aéreo, o projeto que pode suspender a determinação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ainda não foi votado pela Câmara dos Deputados. De acordo com o senador Humberto Costa (PT-PE), autor da proposta que já foi aprovada no Senado, os deputados estão sofrendo pressão de membros do governo para não votar a matéria. 

Segundo a Resolução 400 da Anac, as empresas aéreas vão poder cobrar pela bagagem despachada de quem comprar bilhetes de viagem a partir de 14 de março.

Na tentativa de impedir a cobrança, os senadores aprovaram um projeto em dezembro do ano passado. Para entrar em vigor, entretanto, é preciso que o projeto seja aprovado também pela Câmara. 

Segundo Costa, o projeto ainda não caminhou na Câmara por causa da ação de integrantes do governo e lobistas do setor de empresas aéreas. Não há previsão para que a proposta entre na pauta da Casa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.