Projeto que proibia moto entre carros fica suspenso

O projeto do deputado federal Marcelo Guimarães Filho (PMDB-BA), que proíbe motocicletas de trafegarem entre as filas de veículos (ou entre carros estacionados e a pista adjacente), aprovado em caráter conclusivo na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) da Câmara no dia 7, está com a tramitação suspensa, depois de ter sido bombardeado por recursos contrários de outros parlamentares. Pelo menos 90 deputados assinaram recursos contra a ideia.Os recursos foram apresentados por Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), Jair Bolsonaro (PP-RJ), William Woo (PSDB-SP) e Ciro Nogueira (PP-PI). Agora, deve levar pelo menos meses para que o projeto volte à pauta da Casa, pois o regimento interno da Câmara determina a apreciação em plenário, antes do encaminhamento ao Senado. O texto entra na já saturada "ordem do dia" da Câmara - a pauta acumula dezenas de itens, entre emendas, recursos, vetos e projetos de lei e resolução."Ganharemos um tempo importante para lutar contra essa proposta", afirma Lucas Pimentel, da Associação Brasileira de Motociclistas, que vai iniciar uma campanha nacional para derrubar a proposta. "Caso uma lei com esse teor seja aprovada, haverá um aumento substancial no número de ocorrências envolvendo motos. Atrás dos automóveis, o motociclista não terá campo de visão suficiente para se desviar de sujeiras e buracos", diz. "Além disso, 3 milhões de pessoas no País usam a moto como instrumento de trabalho e outras 5 milhões para ir ao trabalho."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.